Cidadania italiana não é concedida, é direito adquirido por nascimento

Cidadania italiana não é concedida, é direito adquirido por nascimento

No artigo “Não per tutti” publicado na edição de VEJA, de 11/07, noto um erro jurídico que pode se considerar venial a nível jornalístico, mas imperdoável a quem pretenda ser um “Legislador”, como o Senador Pollastri.

Na atual legislação italiana, única no mundo, desde 1912 – fora uma fugaz interrupção criada pela lei 123 de 1983 – a cidadania passa de pai para filho, independentemente do local de nascimento e de residência, do fato de possuir outra cidadania, de estar transcrito o nascimento no registro do estado civil, e de ter em qualquer manifestação a vontade de mantê-la.

Por isso a maioria dos sessenta milhões (mínimo!) de italianos espalhados pelo mundo afora, nem sabem que possuem nossa cidadania além daquela dos pais onde vivem!

Isso é absurdo, mas a solução acariciada por alguns parlamentares, entre eles o Pollastri, é juridicamente impraticável, porque a cidadania não é “concedida”, é um direito adquirido por nascimento, que o Estado é obrigado apenas a verificar, pelo processo chamado de “reconhecimento da cidadania”.

Para limitar o “entupimento” dos consulados – causados pelo enorme crescimento dos usuários ítalo-brasileiros, gerado desde que estourou a moda dos reconhecimentos, por volta de 1990, até que as filas foram “congeladas” – existiriam outras soluções, mas elas requereriam um pouco mais de competência e de estudo de parte de nossos “Legisladores”.

Não existem evidências claras sobre as intenções do “atual governo”, onde ninguém está de acordo com ninguém!

A idéia de limitar a transmissão da cidadania aos filhos e netos de emigrados, que moram em outros países, que possuem a cidadania deles e não foram registrados na Itália, foi somente acenada no discurso do deputado Marco Fedi do dia 3 de maio, na III Comissão (assuntos exteriores) da Câmara; o parecer aprovado pela mesma Comissão no dia 9 do mesmo mês, depois de enumerar todos os pontos da lei que dizem respeito aos imigrados, termina agregando a seguinte observação:

“veja a comissão competente (NOTA: a Primeira) a oportunidade de introduzir um limite cronológico no reconhecimento da cidadania em base ao jus sanguini.”

Os textos podem ser consultados no site em www.camera.it , organi parlamentari, commissioni.

Vale a pena notar que não se trata de limite de gerações, mas cronológico.

De toda maneira, desde esse momento, a Primeira comissão (assuntos constitucionais), aquela que devia “ver a oportunidade”, não voltou a se ocupar do assunto, aliás, desde maio nem voltou a tratar da lei da cidadania.

Em compensação, o Vice Ministro Danieli e o Senador Pollastri começaram a lançar este tipo de mensagens, que parecem mais voltadas a sondar as reações dos interessados….

Por outro lado, nunca ouvi falar de pressões dos outros estados da UE, nem vejo qual deles poderia ter interesse no assunto.

A maioria dos oriundos italianos que saiu do país deles – calcula-se que seriam uns 10% do total, o que corresponderia a pouco mais de 100.000 durante os 12-15 anos que durou a “festa” – foram para Itália, Inglaterra e Espanha.

Não parece que nenhum dos três países encontrou problemas para recebê-los; aliás, sabem que Espanha, pela lei 40 de dezembro 2006, deu um passo importante na direção do “jus sanguinis”….

Marcello Alessio – ex-cônsul geral da Itália em Curitiba e um grande defensor dos direitos dos italianos nascidos no Brasil

6 Comentários


  1. Oi Fabio, tomei conhecimento do seu blog por um colega e estou surfando por aqui pela primeira vez. O meu bisnono nasceu em Staranzano, provincia de Gorizia. Essa região foi parte do Imperio Austro-Hungaro e parece que existe uma restrição para tirada da cidadania. Voce sabe alguma coisa sobre isso ou pode me indicar onde encontrar essa informação?

    Responder

  2. Ola Lucas

    Estes documentos jà estao legalizados? Se nao estiverem, para legalizar atualmente os pròprios consulados exigem que os documentos tenham no màximo um ano de emissao! Abs

    Responder

  3. Oi Fabio,gostaria de fazer uma pergunta: eu ja tenho os documentos do meu antepassado bisnono(certificado batismo e casamento)foram enviados p/ mim em 2007, vai para 4 anos que tenhos os documentos mais ainda nem comecei o processo. Quanto tempo estes documentos são validos, ou não tem prazo.
    Desde ja agradeço.
    Lucas Roncada

    Responder

  4. Oi JuAinda nao o conheço mas a Ivette ja combinou de nos encontrarmos para uma entrevista exclusiva para o blog…E percebo que vc continua MODESTA kkkkkkkkkQuanto a sua meta, nao se preocupe: estarei enviando um "universo cosmico" de energias positivas proce!!!Te adoro!!!!!!!!!!

    Responder

  5. Preciso ler de novo com tempo, que ha coisas que ficaram meio vagas, mas resumidamente se nao tem nada em pratica da limitação da cidadania, está ótimo!BAci…

    Responder

  6. Oi Fábio!Tudo bem? O Marcello tem toda a razão no seu ponto de vista (aliás, ele tem algumas idéias interessantes). Legal esse esforço, da parte dele, em colaborar. Se a “equipe” de vocês 🙂 precisar de algo, aqui no Braza, me fale, que faco o que estiver ao meu alcance. Voltando ao assunto do Alessio, você o conhece? Se sim, fale que mandei um abraco de agradecimento (pode falar que é a Juli, pois, loooooooogico que ele me conhece). Hahahahaha…Abraco e bom finde aí na Bota!Fabinho, reza por mim, estou precisando de energias positivas para uma “meta” aqui:-)

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.