Felipe Aragão, o meu filho italiano

O Felipe foi o primeiro carioca a adentrar nas fronteiras da Minha Saga.

Agosto de 2009, estava eu em Ancona passando o verão com os meus amigos, quando chega um email:

– Olá Fabio tudo bem? Meu nome é Felipe Aragão, sou jogador de futebol e gostaria de saber se voce pode me ajudar com minha saga, estou em Rimini ja com meus documentos legalizados pelo consulado do RJ e estou encontrando dificuldades.

Respondi que na semana seguinte estaria de volta ao escritório e poderíamos sim conversar sobre o seu processo. Ele então agradeceu, desligou o telefone e voltei a aproveitar o sol do Adriático…

Só que eu não imaginava que ele estava vivendo uma verdadeira saga, vejam o seu depoimento:

FELIPE ARAGÃO – A SAGA (versão contada pelo Felipe)

Eu sou jogador de futebol profissional e vim à Italia para participar de um torneio, trazido por um grupo de empresários. Fizemos vários jogos importantes, joguei contra o Torino, Siena e outros times da serie A italiana:

 

Felipe em campo contra o Torino

 

Marcador torinese tentando parar Felipe

 

Em campo contra o Siena

 

Atrapalhando a barreira, em jogo do Tonezza Cup

Bom, acabado o torneio, aproveitei que estava com meus documentos legalizados e como tinha alguns conhecidos em Rimini aproveitei para dar entrada na minha cidadania naquela cidade.

Estes conhecidos moravam e trabalhavam num hotel lá em Rimini, porém na mesma semana que cheguei houveram alguns problemas entre eles e o proprietário deste hotel.

No final da confusão, houve uma debandada geral: o povo surtou e simplesmente pediu demissão do lugar!

No meio da noite fui acordado por eles: – Felipe vambora! Lembro que só deu tempo de perguntar. – Pra onde? E saí com minhas malas junto com o povo sem sequer saber para onde ia…

De lá pegamos o trem e daí resolvi esclarecer com eles o que estávamos fazendo e qual era o plano.

O rapaz me respondeu: – Sei lá, tô pensando em algo…

Neste momento pensei: – Caraca, to bem arrumado! Como assim não sabem pra onde ir? Estamos em um trem para Bologna e o garoto pensava alto:

– Hummm, tem aquele rapaz em Treviso… Ahh, tem aquele outro em Milano…

Finalmente, ele lembrou-se que em Verona tinha um casal de amigos. Ligou para eles comunicando-os que estávamos chegando. Neste momento fiquei preocupado, pois lembrei-me do Saga falando que Verona era um dos piores lugares para fazer a prática de cidadania.

Durante aquela bagunça, já tinha decidido fazer meu processo de cidadania com o Saga. Entrei em contato com ele, e infelizmente descobri que logo naquela semana, ele estava de férias, mas que retornaria na semana seguinte para o escritório.

Como eu não tinha outra opção, lá fui eu com a galera pra Verona…

Chegando na casa do casal, percebi que a saga seria ainda mais intensa. Éramos muitos, e o local não tinha espaço pra abrigar todo mundo. Mas ok: fui ‘hospedado’ num cantinho, com direito a um colchão…. infantil!

Olha que bacana: eu poderia escolher se queria ficar ‘da metade pra cima’ no colchao ou ‘da metade pra baixo’, ja que o corpo inteiro não cabia!

pesadelo

Eu escrevia ao Saga e ele ainda não tinha chegado, e eu pensando: “Dio, esse cara nao chega logo”. Depois de muita conversa, ele finalmente me deu as coordenadas para chegar na cidade onde eu moraria e seria reconhecido cidadão italiano.

FELIPE ARAGÃO – A SAGA (versão contada pelo Saga)

Eu de férias na Italia, praia, calor… E esse cara me escrevia TODO DIA perguntando se eu já tinha um lugar, se ele podia vir, para onde ele poderia comprar o bilhete, etc.

Como havíamos acabado de liberar uma vaga, escrevi a ele:

– Olá Felipe, pode comprar a passagem, caso queira chegar amanhã eu te busco na estação de trem. Alguns minutos depois chegou a sua resposta:

– Olá Fabio, chego na estação hoje, às 19:36.

CONVIVENDO COM O FELIPE

O Felipe é uma daquelas criaturas que você nao acredita que existe. Extremamente educado, afável, simpático e gentil.

Durante o periodo em que estivemos juntos, minha admiraçao por ele só aumentava!

Não me lembro quando e nem de que forma ele começou a me chamar de pai e eu a chama-lo de filho. Num determinado momento era tão natural, tipo:

– Filho, tô ligando pra saber se você precisa de algo do mercado. Não pai, já fui ontem, obrigado!

Foram muitos momentos especiais, entre eles fizemos uma longa viagem para o norte da Italia, eu , ele e a Lu.

Passamos por Bologna, Ferrara (terra do antenato dele), Treviso (terra do antenato da Luciana) e Padova (terra do meu antenato):

 

Felipe na terra do nonno dele

 

Felipe na terra dos meu ‘nonno’

 

Depois desta viagem, ainda fizemos muita bagunça junto, ele participou de muitas comemorações da Minha Saga:

Comemoração das cidadanias do Rafael Martins e da Cristina Cavallucci

 

Comemorando a cidadania da Lu
E depois de tantas comemorações e tantas festas, chegou a vez da comemoração dele:

Querido filho, não importa onde esteja, sempre estarei torcendo pra você!

Sempre acreditei que ninguém entra em nossa vida por acaso, depois de todas as dificuldades que você passou aqui na Italia, aí está a sua recompensa!

Agora que você é cidadão italiano reconhecidíssimo, chega de dormir em colchões infantis ou viagens noturnas sem saber o destino 🙂

 

  • Gioconda Mameri Calcagno de Sousa

    Boa tarde!!!
    Fábio,
    Dar entrada na cidadania.
    Encontrei um escritório num site.
    Liguei obtive informação da minha situação, e eles pesquisaram e disse que seria viável.
    Eu mesma pesquisei, e entreguei todos documentos pra eles providenciarem a tradução e legalização na embaixada da Itália em Brasília.Fiquei ligando, enviando watsap, pra saber quando estaria pronto, pois meu filho está a passeio no Brasil até fim de novembro/15.
    Eles disseram que ele poderá ir dia 08/dezembro/15.
    Estou na dúvida devido ao Natal e fim de ano.
    Pedi algumas informações por escrito, diz que vai enviar e não envia por email tem cinco dias está espera. Meu filho ligou para o escritório, e quando ele disse que era Vinícius mameri, ela respondeu ahhh!! É VC que eles estão enrolando um pouquinho.
    Estou triste pela enrolação!!!
    Vou amanhã conversar com ele pessoalmente em São Bernardo do Campo, pois estou em São Paulo resolvendo coisas de saúde, vou aproveitar e vou no escritório pegar meus documentos e conversar para viabilizar a viagem.
    Mas, neste exato momento estou orestes a desistir.
    E depois de alguns dias(não sei precisar quantos) encontrei seu site e gostei da sua postura, honestidade, verdade e sensatez das suas informações.
    Já tinha entregue a documentacao.
    E depois, de continuar lendo suas postagens queria fazer com VC.
    Mas, agora num sei como…
    Peço sua orientação!!!
    Como eu que resolvi tudo, peço-lhe uma luz!!!!!!
    Obrigada!!! Gioconda

    • Fabio Barbiero

      Olá Gioconda tudo bem?

      Antes de mais nada é preciso saber o que você contratou e quais serviços você precisa. Porque se pretende dar entrada no seu processo de cidadania no consulado italiano no Brasil, você não precisa pagar nenhum centavo a ninguém: basta baixar o manual Sagabook Brasil e seguir os passos que eu ensino ali, ok?

      Explique melhor o que você está precisando que eu tento te orientar por aqui 😉

  • Emocionante!! Parabéns a vc, Fábio, pelo enorme coração e ao Felipe pela cidadania… para mim parece um sonho tão distante… mas no devido tempo, verei-o transformado em realidade… e espero ter a minha foto publicada no "Minha Saga" também, rsrs. Abraços fraternais!

  • maravilha de história! depois de ver tanto jogador de futebol que consegue a cidadania fácil fácil só porque tem grana envolvida é gratificante ver um que batalhou e sofreu como todos os meros mortais!

  • Fábio, fiquei muito emocionada com suas palavras sobre o Felipe. Agradeço todo o carinho e atenção que vc teve com ele. Nossa amizade é eterna. Beijos Suamy

  • Fábio se ele for bom de bola vamos levá-lo para o nosso VERDÃO (Palmeiras) pois a coisa esta feia esse ano pra nós……rsrsAbbracci!