Cerimônia aos pracinhas da FEB

Era um domingo a noite – dia 21 de abril de 2013 quando eu li um artigo de um jornal aqui na Toscana, dizendo que no dia seguinte aconteceria uma homenagem numa pequena cidade da província de Pisa aos heróis brasileiros que morreram na segunda guerra mundial.

Não tive dúvidas: peguei o carro e na manhã seguinte segui para a pequena cidade de Castelfranco di Sotto, mais precisamente numa frazione chamada Staffoli. Cheguei por volta das 10:30 da manhã e a primeira imagem que eu vi foram essas:

A primeira impressão que eu tive foi muito estranha: metade das pessoas falavam italiano e a outra metade falava português – e eu ali sem entender bulúfas do que estava acontecendo rs

Me aproximei de um grupo de brasileiros e perguntei a eles sobre aquilo que estava acontecendo.

Um deles me explicou que naquele território foi um dos postos de comando da FEB – Força Expedicionária Brasileira durante a segunda guerra mundial e que todos os anos, os italianos fazem questão de recordar os feitos dos “pracinhas brasileiros”.

E então começou uma cerimônia maravilhosa, com a presença do mais alto grupo de oficiais brasileiros aqui na Italia, assim como de alguns prefeitos italianos e também com a presença de representantes da FEB no Brasil.

A primeira parte da cerimônia foi dedicada aos heróis brasileiros, quando vários representantes italianos tomaram a palavra e agradeceram tudo aquilo que nossos grandes heróis fizeram pela Italia durante a segunda guerra mundial, além de confirmarem a amizade entre ambos os países.

Em seguida, houve uma missa especial, conduzida pelo pároco da cidade aos presentes:

Em seguida foi recolocada a imagem de Nossa Senhora de Lourdes no altar a ela dedicada, na gruta construída pelos próprios pracinhas para adorar e servir de oração naquele momento tão dificil pelos quais eles estavam passando!!!

E por fim, as autoridades brasileiras e italianas trocaram condecorações, simbolizando e reforçando a amizade entre os dois países e seu povo:

Uma das coisas mais emocionantes do evento era a participação de duas turmas de jovens estudantes, que estavam ali aprendendo a história dos nossos guerreiros,  como disse um dos prefeitos:

– Jamais podemos deixar que esqueçam tudo aquilo que aconteceu no passado, para que hoje possamos dar valor a liberdade e a democracia.

Pra fechar com chave de ouro, um senhor que vive nas redondezas pediu o microfone e nos contou uma história belissima, que durante a segunda guerra, um caminhão de brasileiros tombou num rio próximo a sua casa e seus familiares correram a ajudá-los.

Após o socorro, permaneceram junto a familia deste senhor para jantar, e ele se lembra das histórias que os brasileiros contaram sobre a vida no Brasil.

Pouco após o término da cerimônia, tive o prazer de receber o convite do adido do exército brasileiro para acompanhar outra cerimônia que aconteceria naquele mesmo dia, porém desta vez na cidade de Pistoia, com a inauguração do site do Monumento Votivo Brasileiro e também da inauguração da Mostra Museu do mesmo monumento que vocês podem conferir clicando aqui.

Para saber mais sobre a FEB, vejam o artigo que eu escrevi aqui.

Para ver todas as fotos da cerimônia, acessem o meu álbum no Flickr clicando aqui, na página do Facebook clicando aqui.

  • Camilla Casetta

    Olá, Fábio. Gostaria de saber se tem algum email que eu possa falar com você. Obrigada

    • Fabio Barbiero

      Olá Camilla

      Para entrar em contato, entre na página Contato. Abraços

  • Natassia

    Olá Fabio, sou neta de um pracinha. Fiquei muito feliz em saber que mesmo depois de tanto tempo fazem questão de recordar esses feitos brasileiros. Olhando as fotos do álbum do meu avo e esse seu post me deixou ainda mais com vontade em conhecer a capela que marcou tanto a vida dele. Tenho fotos do dia da festa de inauguração da capela. Eu e minha família queremos muito conhecer, gostaria de saber se você tem mais informações sobre essa cerimonia, se é realizada todo ano.

    Muito Obrigada

    • Olá Natassia no artigo tem os links, entre lá e dá uma olhadinha 😉

  • Pedro Lunardon

    Fabio, parabens pelo post! Sou neto de um pracinha, sinto muito orgulho cada vez que vejo historias como essa sendo contadas. Apesar da Segunda Guerra ter sido o pior marco da historia da humanidade, sempre ouvimos historias inspiradoras daqueles que vivenciaram esse horror.

  • Le Lisboa

    Fabio, sou casado com uma Pistoeise. Conheço senhores, “contadini e partigiani”, que contam os causos dos soldados brasileiros no Apennino toscano e emiglio-romagno. São historias simples, engraçadas carregadas de solidariedade. Infelizmente, nao sabia do evento que você postou. Espero seguir novas histórias a respeito deste tema. Uma curiosidade: um sargento brasileiro chamado Pereira se casou com uma Pistoeise. Era um personagem querido aqui na cidade, folclórico. Estabeleceu-se em Pistoia depois da guerra, criou família e virou o guardião do único cemitério brasileiro fora do Brasil. O seu filho tem sempre prazer de contar as histórias daquele tempo. Um abraço. Leandro

  • Katya

    Senhor Fábio, minha cunhada esteve presente no evento acima relatado e como sabe que sou absolutamente encantada por tudo o que diz respeito à Segunda Grande Guerra, acabou por me indicar o seu site.Fico feliz em saber que aqueles muitos soldados que tombaram em terras estranhas, lutando por um ideal comum, com o mais absoluto senso de dever, lealdade,abnegação e , sobretudo, compaixão, têm em seus relatos, fotos e testemunhos colhidos, a oportunidade de serem lembrados com a honra que merecem!Ouvir o Hino Nacional entoado com tal força e sonoridade por homens cujo destino poderia se resolver no instante seguinte, mas ainda assim, todos juntos,cantavam; Poder ver a força da fé e da esperança sobressaírem em meio à morte, à incerteza, à solidão e ao desespero, força essa representada na construção da gruta para Nossa Senhora de Loures pelos próprios pracinhas….é inspirador! Somos filhos, netos, bisnetos de homens de valor, homens de coragem, e por certo trazemos dentro de nós essa centelha. Diante disso posso concluir: ainda podemos ter fé na humanidade!!