Explicações sobre apresentação das certidões de óbito #Video

Ciao a tutti!!!

Sabe-se Deus porque cargas d’água isso aconteceu, mas nos últimos dias fui sotterado por dezenas de mensagens sobre uma eventual mudança na lei e que a partir de agora não é mais necessário apresentar certidões de óbito para o reconhecimento da cidadania italiana.

Sim, queridos leitores, quando a gente acha que já viu de tudo, eis que aparecem casos mais estrambólicos e estalafobéticos ainda – e para ajudar os incautos a entender sobre isso resolvi gravar este vídeo – assim posso explicar com todas as letras que é impossível ter mudado uma lei que jamais existiu (oi?).

Não entendeu? Assista o vídeo:

  • Thiago Sigiliano Lopes

    Fábio, primeiramente parabéns por produzir o melhor conteúdo sobre cidadania italiana da internet. Você sem saber está ajudando bastante eu e minha família no nosso processo, que desde 2007 estamos na lista de espera do consulado de Belo Horizonte – prestes a ser chamados agora no segundo semestre de 2016. Agora na reta final entretanto surgiu uma dificuldade, que descrevo a seguir: Conseguimos todos os documentos, partindo de mim até o imigrante italiano, com exceção da certidão de casamento e de óbito dele. Entretanto na certidão de casamento de uma das filhas consta explicitamente a data que ele morreu. E na certidão de nascimento de vários filhos consta a inscrição de que os pais eram “casados nesta Parochia” aqui no Brasil. Já tentamos de tudo, porém devido a incêndios no cemitério, livros da igreja em restauração, e livros do cartório deteriorados, já não temos mais onde procurá-las. Consultando o consulado aqui no Brasil, recebi a seguinte resposta: “Sem estas certidões não temos como receber a documentação. Sugiro que veja junto ao Cartório ou um advogado para auxiliar em como recriar estas certidões. Não temos como ajuda-los sem as referidas certidções.” Pergunto: Você conhece este processo de Recriar as certidões? Já passou por este processo com algum dos seus clientes?
    Mais uma vez muito obrigado,
    Thiago Sigiliano Lopes

  • Andreza C V Dantas

    Fabio, encontrei o registro de óbito do meu trisnonno no Departamento de Obras da cidade onde ele nasceu. Existe um livro onde está registrado seu óbito, a idade bate com a dele, o nome está abrasileirado (é Marco, mas aparece Marcos), no entanto, o cartório local e outros cartórios da região não acusam o registro oficial. Nessa situação, o que pode ser feito para comprovar o óbito?

    • Fabio Barbiero

      Olá Andreza

      Muitos cartórios não procuram corretamente, e é mais fácil dizer que não existe o registro. Experimente solicitar a eles formalmente (ou seja, mediante pagamento) uma busca do documento em um arco de 10 anos, normalmente eles “acham” o documento. Abraços

  • rafael vieira

    Não vou perguntar nada! Apenas quero dizer que as informações que você disponibiliza aqui é de um valor imensurável meu caro. Obrigado por tanta disposição. Tenha um ótimo dia e uma semana excelente.

    • Grazie mille!!!

      • Rafael Clarindo

        Estou lendo tudo que posso lá aqui na Saga. Seu conteúdo é muito didático, parabéns pelo modo como dispõe as informações. Já tenho parentes aí que já são cidadãos italianos, agora penso ser minha vez de colocar as coisas em ordem e então iniciar a minha saga. Provavelmente em breve entrarei em contato com você pois por incrível que pareça algumas coisas devem ser perguntadas, dialogadas de modo mais direto. Mais uma vez parabéns pelo conteúdo e pelo belo trabalho. Arrivederci (google translator tocando o terror aqui)…. 😀

  • Olá Thays

    No email enviado não havia alguma pergunta, portanto não tenho como responder algo que não foi perguntado.

    Já aqui você fez uma pergunta simples e direta, e portanto tenho meios para respondê-la: não, não é necessário que outros familiares também realizem o processo junto contigo, cada processo é individual e independente. Abs

  • Thays Alquati

    Fabio,

    Gostaria de saber o seguinte:

    – Na minha família outros membros gostariam de solicitar a cidadania italiana, no caso, quando eu der andamento para a obtenção, aqui no Brasil ou na Itália, todos tem que fazer o meu processo, ou como funciona? Poderia me informar?

    Obs.: Já te mandei 2 e-mails perguntando sobre como funciona o serviço que vocês prestam aí para quem deseja obter a cidadania, mas ainda não obtive retorno.

    Desde já,
    muito obrigada.

    Thays

  • tatiana

    Fabio estou com o agendamento marcado no consulado de são paulo , esta faltando uma certidão de obito , se eu levar as demais certidões não conseguirei legalizar faltando somente esta de obito é isso ?,

    • Olá Tatiana isso mesmo, o consulado pode se negar a legalizar os documentos sem a apresentação dos óbitos

    • ANDRÉA ROCHA TEIXEIRA

      Boa tarde Tatiana, estou com problemas em encontrar a certidão de óbito do meu bisavô, antenato italiano, acredito que ele tenha sido enterrado como indigente, gostaria de saber se você já compareceu ao seu agendamento no consulado de São Paulo e se eles negaram o seu pedido de cidadania italiana por conta da falta da certidão de óbito do seu parente? Te agradeço antecipadamente a resposta…

  • Olá Marcos tudo bem?

    No site do consulado, na sessão “perguntas e respostas” tem os detalhes sobre quais as partes do processo de divórcio devem ser apresentadas, dá uma olhadinha.

    Sobre a certidão de óbito cada comune tem suas exigências, é impossível responder esta pergunta sem parâmetros, ok? Abs

  • Marcos Tovo

    Olá Fabio. Tenho dúvida e uma informação, primeiro a dúvida, para fazer a cidadania na Itália não tem a necessidade de apresentar as certidões de óbitos da minha mãe e da minha avó?, informação, devido ser divorciado qual os documentos que preciso solicitar ao forum? obrigado!

  • Ildemar Favoreto

    Olá Fabio. Nessa mesma linha de raciocínio. Efetuamos busca em todos os cartorios da cidade e tambem nos cemiterios e não encontramos registro de obito. Estive lendo sobre declaração tardia de obito, mas sem chances de responder as questoes enumeradas por falta de conhecimento. Nossos parentes idosos não sabem as respostas. E agora?

    • Olá Ildemar

      O consulado não legaliza nenhum tipo de documento que não sejam as certidões civis de nascimento, casamento, óbito e/ou CNN – infelizmente vocês devem procurar exaustivamente o documento até que seja encontrado.

      • Carlos Luciano Manholi

        “infelizmente vocês devem procurar exaustivamente o documento até que seja encontrado”. Você fala como se sempre houvesse algo a ser encontrado. Há casos em que não há nada mesmo para se encontrar. Meu caso é um desses. Meu bisavô faleceu em Nova Esperança, no Paraná, no dia 15 de novembro de 1953. Eu não acho isso, eu tenho certeza. Além do testemunho de duas primas do meu pai que estão ainda vivas e estiveram presentes no enterro, eu fui ao arquivo da prefeitura de Nova Esperança, e vi o registro de sepultamento. No entanto, não há registro do óbito no cartório do local onde ele faleceu. Eu também não estou achando que não há, com base no que os funcionários do cartório me disseram. Eu vi o livro com meus próprios olhos. O registro simplesmente não foi feito. A lei que obriga que não se sepulte um cadáver sem registro do óbito é de 1973, 20 anos após a morte do meu bisavô. Enterraram ele sem registro do óbito, é isso. Não há o que achar, não vai adiantar nada procurar exaustivamente. E eu duvido que o meu seja um caso isolado. Em situações como essa, só há uma coisa a fazer: procurar um advogado e, com base no registro de sepultamento, e com base ainda no testemunho das pessoas que presenciaram o enterro, pedir que o juiz mande fazer o registro tardio do óbito no livro C do cartório da cidade onde o antepassado faleceu. Com base nesse registro, o cartório vai depois expedir uma certidão de óbito (trata-se de uma certidão suprida). Essa certidão é aceita pelos consulados? A resposta é sim, mas sob condições. Vou citar dois exemplos. O consulado de Porto Alegre aceita, mas exige que se apresente, juntamente com a certidão, a petição inicial do processo de registro tardio, e ainda os documentos que serviram de prova no processo em questão. Já o consulado de Curitiba aceita a certidão, desde que a sentença do juiz brasileiro que mandou fazer o registro tardio seja homologada na Itália.

  • Leonardo Macedo

    Eu não sei se o meu bisavô está vivo ou morto. Como proceder? Pelo visto acimo há Comunes que não requerem a Certidão de Óbito ( se a mesma existir ) .E se eu contratasse o Minha Saga , vocês poderiam terminar o meu processo sem essa Certidão de Óbito?( se ela realmente existir já que eu não sei se ele está vivo ou morto).

    • Olá Leonardo

      Não encontrar é diferente de não existir, por isso aqui na Minha Saga exigimos a apresentação do óbito do italiano, sem este documento não tenho como te ajudar. Abs