Diário de Viagem: Instanbul – Turquia

Ciao a tutti!

Antes de mais nada é preciso dizer que fazia um tempão que eu não escrevia um diário de viagens! O último foi a passagem pela imigração americana com o passaporte italiano, no final do ano passado (e ainda estou devendo a vocês o relato das minhas peripécias em New York)

Bom, neste ano de 2014 fomos passar o meu aniversário na Turquia, pela primeira vez iríamos conhecer a tal Instanbul, famosa por ter sido palco do Império Bizantino, além de ser também conhecida como a antiga Constantinopla e metade da cidade ser na Ásia – imaginem minha expectativa para conhecê-la, logo eu que sou apaixonado por história rs

Engraçado que esse destino aconteceu completamente por acaso, pois em março deste ano, saiu uma reportagem no jornal aqui em Pisa explicando que a empresa Turkish Airlines iniciaria a voar daqui no verão e estavam oferecendo as passagem em desconto – ida e volta por 89 euros por pessoa!!!

Daí foi aquele vuco vuco: corre no Booking para ter ideia dos valores de hotéis, pesquisa no google sobre a cidade, até que finalmente decidimos e plack – compramos as passagens!!!

Imaginem o meu sofrimento: compramos as passagens em março para viajar somente em julho – pensei que essa viagem nunca ia chegar rsrsrsrs

Mas eis que finalmente chegou o grande dia, e lá fomos nós:

O primeiro impacto foi com a língua, cáspita, que coisinha difícil!!! Pior do que alemão!!!

Vale ressaltar que a cia aérea é espetacular, a melhor com a qual já viajamos até hoje – tudo bem que estamos com o padrão low cost Ryanair, mas a Turkish é melhor do que Alitalia, Air France, Lufhtansa e Ibéria (já viajei com todas estas).

Pouco mais de 2 horas de viagem, lá estávamos nós, numa das cidades mais importantes do passado:

Como já sabíamos que teríamos imigração, mesmo podendo viajar apenas com a carta d’identità italiana, levamos os nossos respectivos passaportes, para receber mais um carimbinho (sou pobre, mas limpinho…)

Já tinha reunido as informações sobre como chegar do aeroporto de Ataturk ao centro da cidade: tinha que pegar o metrô, descer na sexta estação e lá trocar para o tram e então descer em Sultanahmet, que era o bairro do nosso hotel. E descendo do tram, eis a primeira visão que tivemos:

Essa é a Mesquita Blu, um dos símbolos da cidade – que maravilha!!!

IMPRESSÕES SOBRE INSTANBUL

Toda vez que conhecemos algum lugar novo, no final da viagem fazemos um apanhado geral do que vimos e nos perguntamos se voltaríamos, se moraríamos e qual a nota para o lugar.

Instanbul recebeu da gente os seguintes comentários:

MORARÍAMOS: Nem morto!

VOLTARÍAMOS: Talvez não…

Nota de 1 a 10: 5

Nós não moraríamos por diversos motivos, o primeiro deles é a bagunça generalizada daquele lugar! Não foram poucas as vezes que nos sentimos literalmente no Brasil. Muita sujeira nas ruas, muitos pedintes, muita confusão, um trânsito completamente caótico, entre outras coisas bizarras.

Sobre voltar lá a passeio, também não voltaríamos, mas aí tenho que explicar: não é só pela zona, mas porque ainda faltam muitos lugares neste mundão que ainda queremos conhecer, e provavelmente quando pensarmos (e pudermos) viajar novamente, escolheremos sempre um novo destino, ao invés de escolher um que já conhecemos. Embora cá entre nós, estamos loucos para voltar pra Amsterdan rsrsrs

A CULTURA ISLÂMICA

Chegamos em Instambul no mês considerado sagrado pelos muçulmanos, conhecido como Ramadã. E posso dizer que sem sombra de dúvidas, nossa viagem ficou muito, mas muito melhor por causa disso. Primeiro porque pudemos ter contato direto com muitas pessoas desta religião, que para a minha completa ignorância, jamais tinha estudado ou sequer me interessado por ela.

Obviamente que neste pequeno período por lá não é que me tornei especialista na religião ou algo do gênero, porém entrei em praticamente todas as mesquitas que eu encontrei pela frente, e o sentimento de paz e espiritualidade que senti foi excepcional!

Um dos momentos mais tocantes, foi no penúltimo dia de nossa viagem – estávamos do lado asiático de Instanbul (a única cidade no mundo que fica em dois continentes, de um lado do canal do Bósforo é Europa, e do outro lado é Ásia) quando um pequeno beco começou a encher de pessoas, pois era o momento da oração sagrada deles, vejam que maravilha:

Instambul

CONHECENDO DIVERSAS MESQUITAS

Muita gente, quando vai a Istambul, acaba conhecendo apenas a famosa Moschea Blu, já que ela é praticamente o cartão postal da cidade. O problema é que por ser um local turístico, você não se sente em um local de oração, afinal de contas não dá pra pensar em orar no meio de milhares de pessoas falando, tirando fotos, entre outras coisas.

Como eu disse anteriormente, ficamos no bairro de Sultanahmet e há poucos metros do nosso hotel tinha outra mesquita, completamente vazia e livre de turistas, para nossa alegria:

 Instanbul

Abaixo seguem algumas fotos de outras mesquitas que encontrei pela cidade, a maioria do lado europeu, mas algumas também do lado asiático:

 Instanbul

Instanbul

DICAS DE TURISMO QUE VALERAM A PENA

Não posso deixar de compartilhar com vocês os pontos máximos da nossa viagem, que realmente gostamos e que valeram muito a pena. Vou colocar na seguinte ordem: o que gostamos menos até a que gostamos prá dedéu rsrsrs

5 – A área dos mercadinhos de peixe

Os guias que comprei diziam que não poderíamos deixar de visitar a área do porto, onde saem os barcos – pois lá encontraríamos o peixe no pão, além de uma vista linda do Bósforo. Onde? Cadê? O que vimos foi o lugar mais imundo da cidade, com aquele cheio de fim de feira, um paozinho seco com um pedaço de peixe e uns troços estranhos dentro de um vidro, que não tivemos coragem de comer rsrs Mas com certeza vale a pena respirar (humm) o ar pro ali.

4 – O Bazar das Espécies

Ao contrário do Grande Bazaar, ste vale muito a pena – dá pra comprar vários temperos e coisas tradicionais do país. A única coisa é que pelo menos comigo não rolou a história da pechincha, pelo contrário: teve um maluco turco que me chamou, em português de MÃO DE VACA! (sim, o cara falou isso em português!!!)

3 – Atraversar da Europa para a Ásia

Gente, eu nasci em São Paulo e vivi parte da minha vida em Diadema, parte na zona leste. Claro que eu quis passar váááárias vezes de um lado a outro do Bósforo, só pra sair da Europa e ir pra Ásia e vice versa. Mesmo que não dava pra perceber nenhuma diferença kkkkkkkkk

2 – O bairro de Eyuip

Nós gostamos tanto que passamos boa parte do tempo por lá, valeu muito a pena. Pegamos um barco na frente dos mercados de peixe e em poucos minutos estávamos lá. Encotnramos um bairro tipicamente turco, com poucos turistas e uma mesquita maravilhosa!!!

Lá também pegamos o tradicional bondinho para o café Pierre Loti, só pra perder o fôlego com essa visão:

pierre loti

1 – A Basilica Cisterna

Ok, eu li o livro Inferno de Dan Brown (quem não leu saiba que ele se passa metade em Firenze e a parte final em Instanbul, terminando exatamente na Cisterna) e pensei ter sido influenciado por ele, porém a Lu não leu e achou também este lugar o mais espetacular, fantástico e surreal de toda a cidade!!! Praticamente debaixo da cidade existe um grande espaço que era utilizado para armazenamento de água – imaginem que coisa louca!!!

Aliás não precisam imaginar não, vejam algumas fotos:

cisterna

cisterna

E ALGUMAS FURADAS…

5 – A praça Taksin

Sinceramente achei que a tal praça, famosa pelas manifestações dos últimos anos, seria linda. Ledo engano, na verdade você demora um pouco para entender que está na tal Taksin.

4 – O Grande Bazaar

Nada de mais, muita coisa cara…

3 – A torre Gálata

Ok, aqui cabe um aviso importante: nós vivemos na Italia! Talvez por causa disso, a torre construída pelos genoveses não parecia nada de mais, sem contar a dificuldade de chegar na bichinha.

2 – Passeio (longo) de barco no Bósforo

Vale a pena pegar o passeio CURTO do bósforo. Acabamos pegando o longo, que demorava várias horas e acabamos indo parar no fim do mundo. Paramos pra almoçar e tivemos dificuldades para pedir o que comer rsrs

A única coisa legal, foi a Turkish Experience que eu fiz a Luciana passar: pegamos uma lotação lá que funciona da seguinte forma: você coloca o dedo e o motorista pára onde quer que você esteja! Não existe ponto e pra pagar você vai dando o dinheiro pro seu amiguinho da frente, até chegar ao motorista. E se tiver troco é a mesma coisa: o motorista dá o dinheiro pro cada atrás dele, que vai passando até chegar a você, SURREAL! Mas legal, vale a pena 🙂

1 – O bairro próximo a torre Gálata

Logo após atravessar a ponte em Eminonu, se você vira à direita na primeira avenida, fique preparado para encontrar uma verdadeira zonaaaaa. Sério, eu me senti em São Matheus, Itaquera, Guaianazes e todos aqueles bairros que geralmente só ouvimos falar nas músicas dos Racionais Mc’s. Infelizmente naquele momento não pensei em fazer nenhuma foto…

A COMIDA

Como bom gordinho que sou, a comida é uma das coisas fundamentais de qualquer viagem! E na Turquia, pudemos experientar coisas extremamente saborosas, antes de mais nada vejam este vídeo:

http://youtu.be/uKE4HJwd7wk

Viram só que maravilha? Este foi o jantar em comemoração ao meu aniversário, nem preciso dizer o quanto gostei rsrs

E o baklava…

baklava

Eu nunca gostei muito de doces, mas se tem um troço que você coloca na boca e sente o que o povo nos programas Masterchef dizem ser uma explosão de sabores, é esse tal baklava!

Outra coisa que eu descobri que tinha lá e que já fui com a ideia na cabeça foi comer no Arby’s – quem não é tão velho como eu talvez não saiba mas no Brasil já existiu também esta rede de fast food. Quando eu tinha meus 14, 15 anos e trabalhava como office boy, ia sempre na loja que tinha ali próximo a Rua São Bento, no centro de SP. E vejam onde tive que ir para experimentar novamente o Beef n’ Cheddar deles (água na boca neste momento de novo rsrs)

arbys

 Outras duas coisas que descobrimos em Instanbul e que são típicos apenas de determinados bairros por lá, se não me engano ambos do lado asiático da cidade, a primeira delas:

Batata recheada! Só que ao contrário da que vende na Backed Potato por exemplo, nesta o próprio funcionário dá uma cavucada na batata exatamente pra poder misturar todo o recheio (que você pode escolher tudo que quiser, dentre umas dez coisas diferentes!). Achei a ideia excelente, porque o pessoal no Brasil também não dá uma ‘cavucada’ na batata também, pra caber mais recheio???

batata recheada

E pra completar as fotos de gostosuras, foi lá na Turchia que comi a maior esfiha do Habbib’s que o homem conseguiu produzir:

esfiha do habbib's

Agora imaginem o que os dois magrinhos que estão passando ali estão pensando kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

CONCLUSÃO DA VIAGEM

Viajar é uma das melhores formas de melhorarmos como pessoa, acredito piamente nisso! Tanto que procuro sempre seguir esta máxima dos meus queridos amigos do E-Dublin:

e-dublin

Foi realmente muito bom conhecer uma cultura tão diferente da nossa, principalmente em uma cidade onde podemos ver tantas pessoas com religiões diferentes convivendo pacificamente, mostrando que ninguém é melhor do que ninguém e que quem pensa que o seu credo, raça, cor ou opção sexual o faça melhor do que qualquer outra pessoa não passa de um grande babaca!

Abbracci a tutti e espero que tenham gostado de viajar conosco 😉

Ps. Como é de praxe, todas as fotos da viagem podem ser conferidas no meu álbum do Flickr:

[fsg_gallery id=”8″]

  • Ana Paula Varani

    Adorei, Fabio! Tbm fiquei com água na boca!! hahaha
    Mas não poderia deixar esse comentário: nossa sexualidade não é uma opção, mas sim uma orientação! 😉
    Grande abraço!

  • Gabriel Lorenzi

    Excelente matéria sobre a Turquia. Estou planejando viajar para a Europa em 2015 e achei muitos sites com várias dicas da Espanha, França e Itália, mas países menos visitados como a Turquia está sendo difícil. Seu relato me ajudou muito! Principalmente na parte das mesquitas e da comida. Rs
    Achei muito legal seu site. Tenho um sobre a Flórida, e se quiser fazer alguma parceria é só falar. O meu é http://www.dicasdaflorida.com.br