O dia que recebi um cheque pelo correio

Ciao a tutti

Há alguns meses estávamos voltando pra casa quando tivemos a infelicidade de sofrer um acidente de trânsito.

Na verdade a dinâmica da coisa foi tão surreal que até hoje não entendemos bem como tudo aconteceu. Basicamente uma Mercedes, daquelas enormes, não conseguiu frear na chegada ao semáforo e bateu em um Fiat Panda, que pro causa da força da porrada, foi “empurrado” pra frente, batendo no nosso carro.

Agora imaginem a situação: se um acidente com duas pessoas já é uma confusão, imaginem com três!

Imediatamente o rapaz da Mercedes saiu do veículo se desculpando (claro, ele estava falando ao celular quando fez o strike), dizendo que era sua culpa, perguntando se alguém tinha se machucado, etc.

Nós, que estávamos parados no semáforo, quando sentimos a porrada na nossa traseira, imediatamente pensamos que nosso carro estava completamente destruído, e meio sem entender nada saímos do veículo e nos deparamos com a Mercedes com a frente completamente destruída, e Fiat Panda assim:

Ok, não fizemos a foto da traseira do Fiat Panda, pois o nosso interesse era a parte do carro que bateu no nosso rs

Sabe quando você sabe que algo aconteceu, mas não quer olhar? Tipo aquela esperança de que se eu não olho, não acontece? Pois foi mais ou menos assim que eu fiz com o nosso carro.

Nós tínhamos acabado de comprá-lo, menos de um semana que estávamos com ele, e não estava acreditando que logo com um carro novo eu passaria pelo meu primeiro acidente de trânsito na Italia…

Com os olhos semicerrados, fui abrindo aos poucos, com o coração batendo a mil, até que eu vejo isso:

Ué, cadê o amassado? Onde está a destruição total do veículo? Só tô vendo sujeira (calma, eu trabalho pra caramba, não tenho como ficar lavando o carro todo dia!)

Nada, praticamente duas marcas quase que imperceptíveis que foram feitas por causa do suporte da placa do Fiat Panda. Deitei no chão, olhei por baixo (vai que por trás da parte plástica, tudo estava destruído) e nadica de nada!

E é engraçado lembrar da situação, pois me lembro que com a força da pancada, o nosso porta café que estava aberto acabou caindo, derrubando café no tapete (porca miséria, então o negócio foi sim forte, eu não estava sonhando!).

Bom, ainda boquiaberto pela sorte de não ter acontecido nada com o nosso carro, deixei meus dados com os outros dois motoristas, que estavam preenchendo os papéis para as respectivas companhias de seguro – se você não sabe como funcionam os seguros dos veículos aqui na Italia clique aqui – e fomos pra casa correndo, pra lavar logo o tapete antes da mancha de café secar.

O CONTATO DA SEGURADORA

Depois de quase um mês, eu recebo a ligação da companhia de seguro do cara da Mercedes (que foi o culpado pela bagunça toda), pois eles queriam mandar um perito para verificar os danos. Eu expliquei que não tinha nenhum, mas mesmo assim eles tinham que se certificar, pois caso contrário o seguro não pagaria os danos na parte da frente do Panda.

No dia marcado, chegou o rapaz da seguradora, e ao ver o nosso carro percebeu as pequenas e quase imperceptíveis marcas e disse que aquilo seria pago a nós, afinal de contas era justo que fôssemos reembolsados pelo dano.

Oxente, respondi. Tá bom! Se você está falando, quem sou eu pra desmentir. Ele sorriu, agradeceu e foi embora.

E ontem senhoras e senhores, eu chego em casa e encontro dentro da minha caixa de correios um envelope, com um documento que ilustra essa belíssima imagem abaixo:

cheque italiano

Um cheque no valor de € 250 euros!

Como sei o que você está pensando, a minha resposta é sim: aqui é normal enviarem cheques, cartões de créditos, entre outros pelos correios, sem nem precisar da assinatura no recebimento dele 🙂

Poucos momentos antes, eu tinha já recebido o resultado dos meus exames de sangue e já estava boquiaberto com a eficiência, pois eles chegaram em apenas 2 dias após a ida ao hospital, e em seguida chega um cheque? É muita notícia boa em um único dia rsrs

Muitos me perguntam se realmente valeu a pena deixar o Brasil e me aventurar em um novo país. Se a vida aqui compensa a saudade da família e dos amigos, se o dinheiro que ganhamos é suficiente, entre tantas outras perguntas.

E são pequenas coisas como estas que fazem com que a resposta seja sim. Vale a pena deixar tudo pra trás e viver em um país onde o cidadão é considerado como tal, onde as pessoas te respeitam não pelo que você tem, mas pelo que você é. Um país onde as pessoas te avisam que você tem direitos, e não apenas deveres, onde uma empresa sabe que um cliente seu errou, e nem por isso vai tentar colocar a culpa nos outros para não cumprir com a própria obrigação, pelo contrário, vai comunicá-los que eles foram lesados, e por isso é mais do que normal que sejam ressarcidos por isso.

Isso é qualidade de vida. Coisa que dinheiro nenhum no mundo pode comprar.

Um grande abraço a todos e até o próximo post 😉

  • Leticia

    Oi Fábio, tudo bem?!
    Você sabe me dizer se consigo abrir uma conta em um banco na Itália daqui do Brasil?
    Será que o consulado Italiano de SP oferece algum tipo de ‘ajuda’ nesse sentido?
    Obrigada!

  • Jessica

    Gostaria de tirar uma dúvida se possível, minha mãe mora na Itália a 15 anos, tenho duas irmãs Italianas, já estive outras vezes para passeio, mas agora gostaria de ir para trabalhar, sou publicitária, porém, não sei em que trabalharei la a principio, vendedora de loja, etcs.. Gostaria de saber qual o melhor visto para mim.. se posso ir e tirar o visto lá já que minha família mora lá e tem residencia estabelecida ou se já tenho que ir com o Visto de trabalho daqui do Brasil..

    • Olá Jessica neste caso sua mãe pode te dar um permesso di famiglia. Abraços

  • Douglas Forte

    Fabio uma duvida off topic, tenho cidadania italiana reconhecida pelo comune de Pavia, a pergunta é se algum dia eu precisar emitir mi ha certidao de nascimento ou certificado ou atestado de cidadania emiti nesse comune mesmo? So solicitar pelo meu nome data de nascimento e data de reconhecimento de cidadanja? Obrigado

    • Olá Douglas tudo bem?

      Sim, o comune onde você efetuou o seu reconhecimento será sempre o seu “cartório”, pois as suas certidões estão transcritas nos livros de lá. Abs

  • Lorenzo

    Ótimo Post Fábio, é exatamente como “não” me sinto no Brasil e estou ansioso para conseguir minha cidadania italiana… por falar nisso, você monta e encaminha todo o processo pela Itália ou apenas faz verificações dos doc’s?

    • Olá Lorenzo, fazemos tanto a verificação como prestamos consultoria, porém no momento não estamos mais aceitando novos pedidos de consultoria pois todas as vagas para 2015 e 2016 já foram vendidas (felizmente rs). Abs

  • Ricardo

    São por essas coisas que somos extremamente orgulhosos de sermos italianos. Somos tratados como gente, as pessoas se respeitam, há cidadania. Parabéns Fabio!!!

  • Adriana

    Acho que existe muitas razões que nos levam a enfrentar uma nova vida numa terra que não é a nossa…Nós por exemplo vamos ir morar em outro pais porque queremos mais segurança e uma educação de mais qualidade para nosso filho…Mas não posso deixar de dizer que vai ser sim uma batalha pois amo meu Brasil e só queria conseguir colaborar mais para ele um dia ser um pais como os que já tem no mínimo 1000 anos a mais de experiência que nós! Meu lado “nacionalista” nunca vai deixar de defender tudo de maravilhoso que temos aqui!!

  • Luciana Paladini

    Faço minhas as suas palavras “qualidade de vida. Coisa que dinheiro nenhum no mundo pode comprar.”

  • André Zamp

    Show de bola Fábio, realmente são nas pequenas coisas como você disse que vemos que realmente vale à pena você sair do Brasil. Pois essas “pequenas coisas” refletem lá na frente mudando todo o contexto da história. Parabéns pelo post, e pelo cheque, haha.

    Forte abraço;

    Andre Zamprogno

    • Ciao André pois é, obrigado e bóra gastar esse dinheiro rs

      • André Zamp

        Isso, da-le vinho e picanha? Haha, abraço.