Cidadania materna na Minha Saga

Durante muitos anos, filhos de mulheres italianas, nascidos antes de 1948 não puderam ter a sua cidadania reconhecida, por causa de uma grande injustiça da legislação aqui na Italia.

Isso se deve, porque a antiga legislação sobre a transmissão da cidadania italiana dizia o seguinte:

  • É cidadão italiano, o filho de pai italiano.

De forma totalmente arbitrária e machista, esta lei vigorou até o ano de 1983, quando então a Corte de Cassação Italiana declarou (finalmente) que este artigo era inconstitucional, pois fere o princípio de igualdade.

Com esta declaração da Corte, sua eficácia retroagiu até o dia 1.1.1948 e esta data não foi escolhida por acaso: é a data em que a Constituição Italiana entrou em vigor.

Por fim, em 1992 foi escrita uma nova lei da cidadania (explicando a grosso modo, apenas para fins didáticos), cujo texto passou então a ser:

  • É cidadão italiano, o filho de pai ou mãe italianos.

Viram a diferença? O simples fato da inclusão das palavras “ou mãe” teve um grande significado, pois garantiu aos filhos nascidos após 1.1.1948 o direito ao reconhecimento da cidadania italiana por parte da mãe.

chocadeira

Com a promulgação da constituição e a declaração da Corte, os filhos de mulheres, nascidos após a data de 1.1.1948 passaram a ter o direito ao reconhecimento tal qual conhecemos como “normal”, ou seja, por via administrativa.

Porém, em nada adiantou aos filhos nascidos antes de 1.1.1948.

Para você entender melhor, eu costumo dizer o seguinte:

A legislação italiana entende que as mulheres na Italia passaram a ser consideradas PESSOAS somente a partir de 1.1.1948.

A) Os filhos paridos antes desta data, são tratados como se fossem filhos de chocadeira.
B) Os filhos nascidos após, estes sim nasceram de cidadã italiana.

A REVIRAVOLTA

Lá nos idos de 2007 (mesmo ano em que eu cheguei aqui na Italia), um advogado italiano conseguiu ganhar na justiça italiana, a sua primeira causa, garantindo ao seu cliente, nascido antes de 1948 de mulher italiana, o direito ao reconhecimento da própria cidadania!

Foi então, queridos leitores, que a porteira se abriu!

porteira

Depois deste primeiro sucesso, o tal advogado conseguiu outros 300 casos favoráveis.

A INDICAÇÃO DA MINHA SAGA – CIDADANIA MATERNA

cidadania materna

Recentemente, conversando com um dos nossos parceiros no Brasil, pedi a ele a indicação de um profissional sério aqui na Italia, e qual não foi a nossa surpresa em ouvi-lo indicar exatamente este mesmo advogado!

Entrei em contato com ele, que já de cara me respondeu de forma extremamente simpática, inclusive dizendo que ele já conhecia o nosso trabalho com o blog há anos.

Marcamos uma reunião em seu escritório, pudemos conhecer o seu trabalho, a sua estrutura, os seus casos de sucesso e foi então que não tivemos dúvidas que ele era a pessoa certa para contribuir com o reconhecimento da cidadania por derivação materna dos nossos clientes e leitores.

DETALHES IMPORTANTES DO PROCESSO

Como aqui na Italia, tal qual no Brasil, existe a regra da concorrência desleal (que determina que determinados profissionais não podem fazer propaganda pública dos próprios serviços), não podemos divulgar aqui os dados deste novo parceiro, de forma pública, porém fiquem tranquilos que todas as informações serão enviadas por email aos interessados.

Pois bem, se o seu processo faz parte do que consideramos “cidadania materna”, o primeiro passo é preencher o formulário no final da página.

Desta forma, as informações serão enviadas diretamente ao escritório do advogado, que as verificará.

Uma vez que tudo esteja certinho, ele te enviará as informações necessárias para o fechamento do contrato, o valor dos honorários e a procuração para que seja assinada pelo requerente, que sequer precisa vir a Italia – tudo é feito por procuração!

Todos os trâmites burocráticos, incluindo o contrato de prestação de serviços, serão feitos diretamente pelo escritório do nosso parceiro – o papel da Minha Saga é apenas atestar os seus serviços, utilizando como critério o nosso padrão de qualidade.

Uma das coisas que aconteceram e que foi bem bacana, foi a transparência na nossa conversa. Por exemplo, a sua preocupação em deixar claro que mesmo tendo já realizado mais de 300 processos, não há como garantir 100% de certeza que um processo judicial vai ser ganho.

E vejam que ele não precisava dizer isso, pois todos sabemos que não existe 100% de certeza de sucesso em um processo judicial. Ele poderia muito bem ter insistido nos seus impressionantes números, afinal 300 processos com 100% de êxito são números poderosos.

Mas mesmo assim, não só pediu para que eu deixasse isso muito claro no artigo, como também pediu gentilmente que pudesse le-lo antes da sua publicação, pois não se trata apenas de mais uma relação comercial na sua carreira, mas sim da sua reputação.

RECEBENDO INFORMAÇÕES PARA O SEU PROCESSO

Portanto meus caros, para receber as orientações sobre como ser um CAB (Cliente Amigo do Blog) por derivação materna junto ao advogado indicado por nós, basta preencher o formulário abaixo, que a equipe dele vai entrar em contato contigo dando todo o suporte que você vai precisar, não só para entender como o processo funciona mas também quais passos serão necessários.

Espero mais uma vez poder contribuir, agora mesmo de forma quase insignificante,  com o reconhecimento daqueles que até agora tinham praticamente perdido as esperanças em poder bater no peito e dizer:

– Sono cittadino italiano!

shadow-ornament

Seu nome (obrigatório)

Seu e-mail (obrigatório)

Quantidade de requerentes

Detalhes do seu caso, incluindo datas de nascimento dos seus ascendentes

Atenção: o advogado só responderá os pedidos de orçamento se o requerente preencher todos os dados acima, com os detalhes da sua árvore genealógica e dos seus ascendentes. Pedidos genéricos, sem maiores detalhes serão ignorados.

Além disso certifique-se que o seu caso seja efetivamente de cidadania materna, este formulário não deve ser utilizado para pedir informações ou confirmações, mas apenas para a solicitação do orçamento dos serviços jurídicos.

Se você tem dúvidas se o seu caso é ou não de cidadania por derivação materna, deixe um comentário.

  • Lauren

    Olá, li tanto sobre isso que agora estou confuso.
    Gostaria que o Fábio ou alguém experiente no assunto me responda (como por exemplo a usuária ‘xyz’)
    Minha situação é a seguinte, eu nem mesmo sei se é possível fazer algo em relação a isso: Minha trisavó era Italiana, o filho dela (meu bisavô) nascido no Brasil e minha vó nascida também no Brasil em 1933.

    Veja o esquema abaixo para facilitar:

    Trisavó (Italiana (não sei o ano de nascimento ao certo), casada com brasileiro)
    |
    Bisavô (Brasileiro (não sei o ano de nascimento ao certo))
    |
    Avó (Brasileira, 1933)
    |
    Mãe (Brasileira, 1963)
    |
    Eu

    Obviamente, a minha trisavó italiana nasceu antes de 1948.
    Obrigado pela ajuda.

    • xys

      Então, Lauren, no meu entendimento, por tudo o que aprendi com o Fabio, o ano da primeira mulher na linha de descendência não é o mais importante, mas sim o ano de nascimento de seu filho ou sua filha, que deve ser depois de 1948 para a cidadania ser transmitida.
      Assim, como seu bisavô nasceu antes de 1948, ele não recebeu a cidadania e parece que sua cidadania terá que ser por via materna.

      • Lauren

        Agora vem a parte mais complicada, que é conseguir os documentos dos bisavôs e dos trisavôs.
        Obrigado pela ajuda!

        • xys

          Vc está acompanhando as aulas do @fabiobarbiero:disqus? A aula na qual ele fala sobre os documentos tem dicas valiosas e simples, por exemplo, para começar pelas certidões mais próximas, que elas trarão pistas dos antepassados que facilitarão suas buscas, Disponha! Mas nosso agradecimento mesmo é ao Fábio, que disponibiliza esses materiais com informações tão preciosas! Boa sorte!

          • Lauren

            Sim, as aulas dele são ótimas e eu estou acompanhando. Obrigado!

  • Lauren

    Olá, li tanto sobre isso que agora estou confuso.
    Gostaria que o Fábio ou alguém experiente no assunto me responda (como por exemplo a usuária ‘xyz’)
    Minha situação é a seguinte, eu nem mesmo sei se é possível fazer algo em relação a isso: Minha trisavó era Italiana, o filho dela (meu bisavô) nascido no Brasil e minha vó nascida também no Brasil em 1933.

    Veja o esquema abaixo para facilitar:

    Trisavó (Italiana (não sei o ano de nascimento ao certo))
    |
    Bisavô (Brasileiro (não sei o ano de nascimento ao certo))
    |
    Avó (Brasileira, 1933)
    |
    Mãe (Brasileira, 1963)
    |
    Eu

    Obviamente, a minha trisavó italiana nasceu antes de 1948.
    Obrigado pela ajuda.

  • lutgard gasparin

    Olá Fabio!
    Li alguns comentários e me confundi um pouco, não sei mais se preciso do processo judicial ou não.

    Arvore Genealógica

    Pedro Gasparini (?)(Trisavó)(Italiano)

    Antonio Gasparini (1907)(Bisavô)(Brasileiro)

    Evelina Gasparin (1937)(Avó)

    Marcia Gasparin (1960)(Mãe)

    Lutgard Gasparin

    Tenho o direito direto pelo fato da minha avó ser a primeira e unica mulher na linha da transmissão antes 1948?

    Desde ja agradeço sua atenção.
    Obrigado

  • André Di Biasi

    Olá, boa noite! Gostaria de confirmar se preciso mesmo entrar com um processo. Minha avó(italiana) nasceu em 1946 e minha mãe(brasileira) nasceu em 1970. Obrigado cara!

    • Se a sua avó é a primeira mulher na linha de transmissão não, seu processo não é por derivação materna

  • Priscilla Noronha

    Bom dia. Preenchi o formulario na semana passada e ainda nao tive resposta. Aguardo retorno. Obrigada.

  • Gabriela Sant’Anna

    Bom dia Fábio, eu estou acompanhando seu canal pra tirar muitas dúvidas sobre a cidadania e estão me ajudando demais! Mas eu ainda gostaria de tirar uma dúvida sobre cidadania via materna pois mesmo vendo o vídeo e o artigo eu contínuo com dúvidas! Minha tataravó e tataravó passam a cidadania p mim, mas ela continua até mim pela minha bisavó e minha avó que nasceu em 48 e minha mãe que nasceu em 65. Seguindo essa linha, a única maneira de conseguir seria por via judicial? Muito obrigada.

  • Taiana Stofella

    Ola, então enviei o meu mas surgiu a duvida. Minha taravó por parte de mãe é Italiana, com meu bisavó nascido em 1924 e meu avô nascido em 1945. Seria paterna correto?

    • xys

      @taianastofella:disqus, como seu avô nasceu antes de 1948, está certo, deve ser por derivação materna.

  • Marcio Mazza

    Olá, Fábio,

    Vc sabe que tipo de procuração será necessário no Brasil para que o advogado italiano me represente?

    • Olá Marcio não sei não, mas com certeza ele te orientará sobre isso, ok? Abraços

  • Jerusa Pires

    Olá! Obrigada pela ajuda!
    Meus trisavós nasceram na Itália e vieram para o Brasil, tiveram minha bisavó No início do Século, que teve minha avó (em 1921), que teve meu pai em 1949. Meu caso é de cidadania materna? Tenho todos os documentos de todos desde o original na Itália. será que os custos de um possível processo seriam menores?
    Muito obrigada!

    • xys

      @Jerusa Pires, seu caso é explicitamente de derivação materna. Minha dica é que não perca tempo e preencha o formulário passando todos os dados que tem, citando a documentação que possui. Eles vão entrar em contato, e apresentar um orçamento.

  • Luisa Motta

    @fabiobarbiero:disqus
    Olá Fabio!
    Enviei o formulário agora, essa intermediação com o advogado italiano está acontecendo ainda?
    Em quanto tempo devo receber as resposta?

    meu caso é:

    trisavô (1867) e trisavó (1881) italianos
    bisavó brasileira (1901)
    avô brasileiro (1934)
    mãe brasileira (1961)

    obrigada!

  • Vinicius Brandão

    Olá, Fábio.
    Acho que o meu caso se trata de cidadania materna, mas ainda estou em busca da documentação para instruir possível ação judicial. Todavia, surgiu uma dúvida: parece que a minha bisavó, italiana, retirou o sobrenome italiano quando se casou; antes ela se chamava Luiza Grossi, casou-se e passou a se chamar Luiza (H)Ermínia Brandão. Isso pode trazer algum empecilho?

    Aproveitando a oportunidade, eis o meu caso: meu bisavô (brasileiro) casou-se com minha bisavó (italiana). O meu avô nasceu, no Brasil, em 1907 > meu pai nasceu em 1944. Assim, eu tenho o direito à cidadania automaticamente ou somente por via judicial?

  • Nanni Almeida

    Fábio, possuo uma mulher na minha árvore com a seguinte situação:

    Josepha, mãe de Luiz. Ele nasceu em 1919, todavia, consta no registro de nascimento do mesmo que Josepha era SOLTEIRA (ela própria o declarou).

    Neste caso, atenho minha dúvida quanto ao reconhecimento da cidadania via administrativa ou judicial em razão do seguinte texto:

    “Legge 13 giugno 1912, n.555 sulla cittadinanza italiana

    Art. 1. – E’ cittadino per nascita:

    il figlio di padre cittadino;
    il figlio di madre cittadina se il padre è ignoto…”

    Ou seja, por Josepha ter sido mãe solteira em 1919 (e NÃO CONSTAR o nome do pai de Luiz em seu registro) ela automaticamente passa a cidadania ao filho?

    Aguardo retorno. Obrigado.

  • Nanni Almeida

    Fábio, possuo uma mulher na minha árvore com a seguinte situação:

    Josepha, mãe de Luiz. Ele nasceu em 1919, todavia, consta no registro de nascimento do mesmo que Josepha era SOLTEIRA (ela própria o declarou).

    Neste caso, atenho minha dúvida quanto ao reconhecimento da cidadania via administrativa ou judicial em razão do seguinte texto:

    “Legge 13 giugno 1912, n.555 sulla cittadinanza italiana

    Art. 1. – E’ cittadino per nascita:

    il figlio di padre cittadino;
    il figlio di madre cittadina se il padre è ignoto…”

    Ou seja, por Josepha ter sido mãe solteira em 1919, ela automaticamente passa a cidadania ao filho?
    Aguardo retorno. Obrigado.

  • Josue George Lima Drury

    Olá Fabio. Estou com algumas dúvidas sobre minha situacao. Estou tentando encontrar um documento que falta, que sao as certidoes dos meus trisavós que vieram da Italia, ainda nao sei a regiao ao certo. E a sequencia é
    ->Trisavós italianos
    -> Bisavó nascida aqui 1905. porém parentes dizem que nasceu na Italia e veio pequena de lá para cá, mas certidao de nascimento foi encontrada em um cartorio em Mimoso do Sul -ES ( Entao nao sei se poderia ser verdade. Afirmam que ela veio sem documentos e aqui foi registrada). Tambem em suas certidoes seu nome e de seus pais esta escrito como se fosse em Portugues, Joao ( ao inves de Giovanni)…
    -> Avó nascida no Brasil, antes de 1948
    -> Meu pai nascido no Brasil depois 1948
    Eu.
    Gostaria de saber sobre minha situacao, seria via materna correto? Foram o que dois advogados me disseram. E outra questao. Minha bisavó teves varios irmaos e vieram para o Brasil. Acontece que um primo que eu nem conheco conseguiu a cidadania porque era descendente de um irmao de minha bisavó, Soube disso porque uma prima conseguiu o contato do advogado que diz que fez o processo dele, porem nao sabemos o nome desse primo, em que consulado fez, mas foi por via administrativa. Gostaria de saber se haveria algum jeito que eu poderia de alguma forma checar, se estas pastas que se encontram nos consulados, mesmo eu nao sabendo o nome desse primo distante, se eu poderia encontrar atraves desta pasta, a regiao que meus trisavós vieram.
    Obrigado

  • Fabiana Caminiti

    Olá Fábio, boa noite! Primeiramente, gostaria de agradecer pelo lindo trabalho altruista que fez ao escrever o livro Sagabook. Estou utilizando o mesmo como um guia para fazer todo o meu processo de reconhecimento da cidadania italiana por conta própria. Segundo, eu tenho uma dúvida referente à cidadania materna. Por parte de meu pai, ambos meu avô quanto minha avó tinham pais vindos da Italia ao Brasil. Porém, o meu bisavô por parte do meu avô tem o sobrenome Caminitti, e a partir do meu pai a grafia começou a sair errada, Caminiti.
    Por isso, terei que passar por um processo de retificação para corrigir a grafia antes de poder dar entrada na minha cidadania, e isso levaria mais tempo e custaria mais caro. Por parte de minha avó, o pai dela que veio da Italia era chamado Roberto Baviera. Meu pai, nascido em 1954, tem direito à cidadania, porém eu não carrego o nome Baviera. Isso me afetaria e podereia me gerar algum problema no processo se eu decidisse fazer por essa linhagem? Desde já, agradeço seus comentarios!!!

  • Giovanni Piccoli

    Preenchi os campos , e enviei o email para esse advogado e ainda não obtive nenhuma resposta!
    O email ainda é válido ? Como faço para entrar em contato com eles?

    • Giovanni Piccoli

      @fabiobarbiero:disqus

      • Thiago Evangelista

        Ele demora uns dias a responder.

  • Bruno Lins Câmara

    @Fabio Barbiero

    Preenchido o formulário como recomendado mas o advogado não entra em contato.

    Tem como vc me ajuda?

  • Bruno Lins Câmara

    Eu mandei email solicitando orçamento com a árvore genealógica correto com nome de todos data de nascimento e até agora nada
    Só que mandei tudo em português serar que deveria ser em Italiano?

    Se alguém souber responder seria grato.

  • Bruno Lins Câmara

    Alguém já fez a cidadania Judicial e quanto tempo demorou?
    Grazzie.

  • Luiz Arthus

    Olá Fabio.

    Mesmo assistindo os videos eu fiquei com duvida a respeito da minha linha.

    Meu Bisavô nasceu na italia (1900) .. minha avó nasceu no brasil (1932) , meu pai em 1959 no brasil e eu em 1989.. eu teria direito pelo processo normal ou juridico maternal?

    • xys

      @Luiz Arthus, seu pai nasceu APÓS 1948. Seu direito é pelo processo normal.

      • Lauren

        Olá xyz, fiz um comentário a respeito de uma dúvida que tenho em relação à cidadania Italiana, gostaria da sua ajuda já que tem mostrado conhecimento sobre isso.
        Basta ordenar a página “Minha saga cidadania Italiana” para ver os comentários recentes. Obrigado.

  • Valdelice F. Ghandour

    Para quem tem alguma árvore parecida com a minha, vale a pra ler.
    Eu tenho direito a cidadania por via judicial!
    Já falei com o advogado Dr Luigi Paiano, que me foi indicado pelo Fabio Barbiero.

    Angelo: meu Trisavô nasc na Itália
    Amália: minha Trisavó nasc na Itália

    ?? Minha Bisavó filha deles, nasc no Brasil em 1912
    ?? Minha Avó nasc no Brasil em 1933
    ?? Meu Pai nasc no Brasil em 1950
    ?? Eu nasc no Brasil em 1972

    Seguindo esse linha, eu tenho direito a cidadania, segundo o Dr Luigi Paiano.
    Espero ajudar nas dúvidas de vocês…. Bjssss

    • Fernando Saw

      Oi valdelice exatamente o meu caso mais minha bisavó nasceu em 1900 na italia e veio pra ca cm 7 anos ….
      Vc ja tem a cidadania ou está em processo

    • Fernando Saw

      Td bem…. vc ja tem ou esta rm processo

  • shana

    Olá Tudo bem Fabio?
    Tenho uma dúvida:
    Meus Trisavos vieram da Italia – Italianos 100% (trisavô e trisavó)
    Meus bisavos são nascidos no Brasil – tanto bisavó como bisavô
    Minha avó paterna é brasileira nascida em 1940 – ela que tem a descendência dessa árvore.
    Se os avôs dela – tanto materno como paterno (minha avó) eram italianos direto, o pai dela não tinha a cidadania direta? e por ser pai dela ela não ganha automático?

  • Guilherme

    Olá Fabio, como vai? Gostaria de saber se no meu caso eu irei precisar recorrer ao processo judicial.
    Meu trisavô nasceu na Itália em 1893, ele se casou com uma brasileira e eles tiveram minha bisavó que nasceu em 1930. Minha bisavó teve a minha avó em 1957 e minha avó teve a minha mãe em 1976. Irei precisar recorrer ao processo judicial? Outra duvida, eu tenho uma irmã e gostaria de saber se seria mais vantajoso, minha mãe tirar a cidadania para assim facilitar pra mim e para minha irmã adquirirmos as nossas. Abraços e muito obrigado pelo saga book!!

  • João Vitor Guimarães

    Olá Fábio,

    Tenho percebido que só se fala na transmissão via materna em decorrência da possibilidade da mulher transmitir a cidadania aos filhos. Mas e quanto àquelas italianas que se casaram com estrangeiros antes de 1948 e que, por força da lei 555 de 1912, perderam sua nacionalidade, adquirindo forçosamente a do marido? Em tese, mesmo os filhos nascidos após 1948, nesse caso, não teriam o direito. Procurei em todo lugar uma resposta, e não consegui achar nada. Você tem alguma ideia?

    Agradeço desde já.

  • Julio Guimarães

    Olá Fábio,
    Acompanho seu blog por algum tempo e parabéns pelo seu trabalho que vem ajudando e informando muitos….

    Bom hoje tenho uma dúvida específica:
    Minha namorada -com permesso- mora na Itália a 3anos (a mãe dela é cidadã italiana, pois é casada com italiano a mais de 15anos), estamos nos organizando para nos casar na Itália e fico na dúvida de como ficaria minha documentação por lá. Sei que ela já deu entrada no pedido de cidadania dela e se não me engano sairá em 2019, se eu me casar com ela nesse período eu também teria algum direito de permaneça ou de cidadania?

    Muito Obrigado!

  • Fabiano Silva

    Olá Fábio tudo bem? Gostaria de saber como contratar sua assessoria para fazer a cidadania na Itália, não quero fazer sozinho. Gostaria de um orçamento. Brigadão! Abraços.

  • Henry Mazer

    Olá!
    O meu caso não é de cidadania materna, mas gostaria da sua opinião sobre requerer a cidadania dessa mesma forma, por procuração sem precisar ir até a Itália, com esse mesmo escritório.
    É possível?

    Grato pela resposta.

    • Olá Henry tudo bem? Isso não existe, pois a cidadania por via administrativa segue outra sequência, não é possível realiza-la sem vir á Italia. Abraços

      • Henry Mazer

        Entendo, mas pensei não em fazer via administrativa, fazer via judicial mesmo. Abraço e obrigado pela resposta.

  • Leandro Monelli Laver

    Eis o meu caso:

    1) Minha avó materna foi mãe solteira;
    2) Minha avó NÃO declarou a minha mãe em sua certidão de nascimento;
    3) Minha avó materna já é falecida e não fez a declaração de fé pública dizendo que é a mãe da minha mãe;
    4) Quem transmite a cidadania é meu bisavô materno;
    5) Na certidão de óbito da minha avó consta que ela deixou a minha mãe como filha.

    Árvore genealógica:

    Bisavô materno (1886) -> Avó materna (1930) -> Mãe (1954) -> Eu (1987)

    Existe alguma possibilidade de obter a cidadania via judicial? Existe alguma jurisprudência? Existe ha possibilidade do juiz nao dar sentença favoravel?

  • André Zuccherelli

    Oi Fabio,

    Minha bisavó, Italiana nasceu em 1893 na italia.
    minha avó, nasceu no brasil em 1926
    meu pai, nasceu no brasil em 1959

    consigo fazer através da justiça, correto?

    Muito obrigado!

    André

    • Olá André consegue sim! Abraços

      • André Zuccherelli

        Obrigado, Fabio.

        Enviei o e-mail com as informações na semana passada, mas não recebi uma resposta do advogado. Você acha que demora muito para ter uma resposta?

        Gostaria também de saber se você tem uma ideia de quanto tempo demora o processo de cidadania materna.

        Obrigado!

      • Morgana Rebelo

        Acredito que minha situação é a mesma que a do André
        Meu trisavô nasceu na Itália em 1855 e veio para o Brail, casou-se no Brasil e teve minha bisavó que nasceu em 1882.
        Minha bisavó teve meu avô em 1921
        Meu avô teve minha mãe em 1959
        Por te duas mulheres na linha de transmissão só posso ter direito a dupla por processo judicial?

        • Olá Morgana você só pode obter o seu reconhecimento através do processo judicial, pois sua bisnonna não transmitiu automaticamente a cidadania italiana dela ao seu nonno, por este ter nascido antes de 1948. Abraços

          • morgana

            mesmo ele sendo homem?
            No caso a minha bisnona nao teve direito a cidadania pois ela quem nasceu antes de 1948 e no brasil, por isso ela não passou pra ele, correto?

          • Morgana Rebelo

            Já enviei meus dados para fazer uma orçamento, ainda não obtive resposta, o advogado que foi indicado pela página ainda estão entrando com pedido judicial?
            Fico no aguardo.
            Obrigada.

  • Ivy Manchini

    Bom dia Fabio, tenho acompanhado o seu blog a tempos e gostaria de esclarecer uma duvida.

    Sou trisneta de imigrantes italianos. Meus trisavós, ambos nascidos na Itália, vieram para o Brasil no fim da década de 1890. Deles até chegar em mim, somente teria minha mãe (como mulher) nascida em 1957. Dos meus trisavós consegui por enquanto somente a certidão de nascimento italiana da minha trisavó (eles se casaram e morreram no Brasil, tenho as certidões de casamento civil/ religioso e óbito de ambos). Através dela eu consigo solicitar a cidadania? Pois a certidão de nascimento do meu trisavô está dificil de encontrar.

    Aguardo seu retorno.
    Desde já obrigada e parabéns pelo blog.
    Ivy Manchini.

    • Renato Ferrari

      O meu caso cai exatamente na mesma situação… Tenho todos os documentos da bisavó italiana, mas não conseguimos encontrar nada do bisavô italiano (um parente foi à Itália 2 vezes, rodou todas as igrejas, e não encontrou nada), e segundo relatos das próprias igrejas, a região passou por vários terremotos e guerras que podem ter destruído os locais onde estariam as certidões. Neste caso, dá para entrar por via judicial? Uma advogada de Roma me falou que não seria possível por “não haver impedimento” para ser feita via administrativa, já que o bisavô é italiano… Sabe se já encontraram um caso assim, @Fabio?

  • Bianca Nakazato

    Oi Fabio, gostaria de saber se eu tenho direito te obter a cidadania por meio da minha Vó. Ela é bisneta de italianos por parte de mãe. Mas a descendência dela seria por parte de Vó e de mãe nascidas antes de 1948. Teria como?

  • Paulinha Candini

    Ola, Fabio, no meu caso, o meu pai tem avos materno e paterno italianos, porem por parte dos avos paternos nao tenho muitas informacoes sobre data de nascimento, obito e nem casamento, porem do lado dos avos maternos tenho todas as informacoes, no entanto meu pai e nascido em 1941, minha avo brasileira e meus bisavos italianos. Posso tentar o reconhecimento por essa linha de transmissao? se possivel, quais sao os prazos? obrigada

  • BitKiller Antonio

    Olá Fábio,
    É verdade que para darmos entrada no processo via materno
    precisamos apenas legalizar os DOCS no ministŕio do exterior e legalizar
    no consulado apenas na volta?
    Att,
    Antonio Carlos

  • Douglas

    Boa tarde Fábio. Poderia me esclarecer se tenho direito com o seguinte caso?

    Bisavô e Bisavó italianos
    Avô(1908) e Avó(1910), brasileiros descendentes de italianos.100%
    Mãe(1947).Brasileira 100%, italiana.
    Eu (1981), preciso entrar com processo para reconhecimento por via maternal?Já que minha mãe possui apenas o sobrenome por parte de pai?

  • Bruno Soares

    Bom dia!
    Muito bom os seus vídeos @fabiobarbiero:disqus
    Mais acredito, fiquei na dúvida se consigo com processo judicial: Minha árvore:
    Maria Christina de Silvio – Nasc: 1834 – trisavó e Pedro Passaroto – Nasc: 1840 – trisavô (adotado, não achei documentos a não ser óbito).
    Maria Passaroto – Nasc : 1914 – bisavó
    Ana Silva – Nasc: 1964 – avó
    Ana Maria Soares – Nasc: 1970 – mãe
    e Eu – Nasc: 1990

    Obrigado pelas informações.

  • Fabio M M

    Fabio meu xará, parabéns por esse belo trabalho que vem fazendo. Vi os comentários e acredito que meu caso seja somente via justiça, porém, para redimir a dúvida, e antes de preencher o formulário, vou compartilhar com quem entende. Minha bisavó veio para o Brasil ainda criança, anos depois casou-se com meu bisavô (Português), teve uma filha, minha vó que nasceu em 1928, meu pai nasceu em 1954. Minha vó por ser a segunda mulher na linha sucessória, só terei direito via justiça, estou correto? Desde já agradeço a atenção e mais uma vez parabéns.

    • Olá Fabio seu raciocínio está sim correto, você deve solicitar judicialmente. Forte abraço!

      • Fabio M M

        Obrigado Fabio, grande abraço.

  • Jéssica Salvattori

    Eu gostaria de saber se para um processo via materna eu preciso reunir os mesmos documentos que para um processo “normal”.

  • Fernando Meneses

    Ola Fabio!

    ​Boa noite!

    Já estava desanimada com a possibilidade da cidadania , ate assistir os videos e ler os artigos no blog.
    Recentemente consegui uma certidão de nascimento da minha bisavó, nascida no ano de 1912, ja no brasil. Mas minha trisavó e trisavô eram do Reino da italia. Vou escrever abaixo como esta na certidão de nascimento : ( tenho a mesma em maos)

    “foi lavrado o assento de brasilina,nascida no dia onze de abril de mil novessento e doze , em domicilio,neste distrito,na fazenda baixada,igarapava, estado de sao paulo,do sexo feminino.
    filha de domingos lobianco, natural do reino da italia,e de santa cuerin, natural do reino da italia.
    sendo avos paternos jose lubianco e anna reco e avos maternos angelo cuerin e rosa maretti.”

    Minha avo , Agnes bonfim de oliveira,nascida tambem no brasil, na data de 16/01/1938. Minha mae, sonia regina de oliveira nascida em 17/09/1964. E por fim, eu lisie de oliveira moura nascida em 04/12/1986.

    Gostaria de saber se tenho direito a cidadania italiana.

    Desde ja ,Obrigado.

    • Olá Fernando tudo bem?

      Você tem sim direito, basta entrar com o pedido judicial através do advogado aqui na Italia. Preencha o formulário que consta nesta página com todas as informações sobre a sua linha de transmissão, que o advogado entrará em contato com você, ok? Grande abraço!

      • Fernando Meneses

        Olá Fabio,obrigado pelo retorno. Antes de mandar a msg para você,havia preenchido o formulário. Mas ninguém entrou em contato comigo. Me ajude,abraço.

  • Alef Adiglerdan Bezerra

    Obrigado Marcos, não achei a cidade exata, porém encontrei registros de outras pessoas com o mesmo sobrenome e consegui ter uma ideia da província que ela nasceu.

  • Paulo Nunes

    Opa tudo bom Fabio meu tataravô era italiano, depois veio minha bisavó nascida aqui no Brasil, depois minha avó que nasceu em 1934 e minha mãe em 1956, teria direito?

  • Paulo Nunes

    Opa tudo bom Fabio meu caso é seguinte tem minha bisavó que nasceu na Itália mas não me lembro em que ano, depois veio minha avó que nasceu em 1935, depois veio minha mãe 1956 e depois eu em 1984, como funciona teria direito de entrar tb?

  • Helena

    Oi Fabio, estou com dúvida se podemos fazer o processo via materna ?

    Trisavó italiana 1881

    Bisavô brasileiro 1910

    Avó 1937

    Pai 1959

    Trineto requerente 1985
    Obrigada

  • Helena Carneiro

    Oi Fabio, meu nome é Helena .estou na dúvida se é via materna ou não
    Trisavó italiana
    Bisavô brasileiro 1910
    Vó brasileira 1937
    Pai brasileiro 1959
    Filho brasileiro 1985

  • Diene Santos

    Oi Fabio, tudo bem? Meus bisavós vieram da Itália e tiveram minha avó antes de 1948 aqui no Brasil e minha avó teve minha mãe no ano de 1971. Tenho direito a cidadania? Preciso entrar judicialmente?

  • Dan Scramin

    Oi @fabiobarbiero:disqus !

    Primeiramente, seu site é 10! Super organizado e bem feito. Parabéns!

    Decidi tentar conseguir a cidadania através da Ação Judicial, pois, apesar de ter bisavô italiano, não consegui achar os documentos dele, só a certidão de casamento. Agora, da minha bisavó consegui tudo praticamente, já que ela viveu até os 100 e a família tinha tudo dela guardado.

    Enviei o formulário e vou aguardar um retorno. Minha dúvida é: ajuizada a ação e caso lhe seja dado procedência, eu já vou ter a cidadania reconhecida, ou eu vou ter que fazer o processo ainda? Digo, estava me preparando para, caso conseguisse os documentos do meu biso, ir à Itália fazer o processo lá (aí, no caso). Pela linha materna, havendo a ação e ela surtindo efeitos, vai ser a mesma coisa, ou a ação já basta?

    Acho que li aqui no seu blog que o consulado italiano não legaliza os documentos brasileiros se houver mulher com filho de antes de 1948, por isso pergunto isso.

    Agradeço desde já a ajuda, e te desejo muito sucesso!

    • Olá Dan tudo bem? Você enviou esta dúvida também por email, que já foi respondida. Abraços

      • Letícia Oliveira

        Olá Fabio, tenho a mesma duvida! Se são dois processos separados ou entrando com ordem judicial materna já faço a cidadania?
        Obrigada

        • Olá Leticia, o processo judicial termina com o reconhecimento da cidadania sim, é a mesma coisa! Abraços

    • Letícia Oliveira

      Dan, eu estou passando pela mesma situação que a sua, vou entrar com ação judicial pela linha materna. Pensei que podíamos trocar informações. Meu email é leticiagdo@hotmail.com
      Se puder me add pra conversamos

  • Fernando

    Olá minha duvida é a seguinte ! Os pais da minha avó nasceram na italia e tiveram ela aqui no Brasil mi ha avó nasceu antes de 1948 e teve minha mãe em 1952 eu posso ter a cidadania italiana?

    • Olá Fernando sim, no seu caso a cidadania não é materna, pois sua mãe recebe a cidadania da mãe dela (primeira mulher na linha de transmissão) por ter nascido após 1948. Abraços

      • Alex Supertramp

        Fiquei confuso agora. A Avó dele nasceu antes de 1948, e ela era filha de italianos. Neste caso não seria materna (via judicial)!?

        • Não é a mulher que deve ter nascido após 1948, mas sim o filho (ou filha) desta mulher. Procure o vídeo no nosso canal do Youtube onde eu explico melhor este conceito. Abraços

  • M.Helena Staufacar

    Ciao FABIO estão todos bem? Imprimi para mim e meu filho Alexandre seu livro “MINHA SAGA”. prático e detalhado.parabéns.

  • Joel Borsuk

    Caro Fábio.
    Na questão da cidadania materna, quero expor uma situação que, acredito, mereça um artigo específico da sua parte.

    É o caso da cidadania materna quando os pais não eram casados civilmente, apenas no religioso.

    O caso é meu mesmo por um dos lados da descendência, e não necessitaria de ação judicial, pois a primeira mulher na linha é nascida por volta de 1920 e, a seguinte, que transmite a cidadania a mim (no caso minha mãe), é nascida em 1950 (assim, por ser nascida após 01.01.1948, teve a cidadania transmitida pela mãe dela – minha avó -, segundo compreendi dos seus textos).

    No entanto, a minha avó e meu avô não eram casados civilmente (fato registrado na certidão de óbito de ambos), casaram-se apenas no religioso (em 1943, tenho a certidão).

    Segundo os seus textos, em caso de os pais não serem casados civilmente, os consulados e comunes exigem a declaração explícita de paternidade, o que geralmente se obtém da certidão de inteiro teor porque em regra é o pai quem declara o nascimento. Neste, caso, porém, como se busca a cidadania pela linha materna, não há a declaração explícita de maternidade por parte da minha avó para minha mãe, porque quem fez o registro civil da minha mãe foi meu avô…

    Não vi, em seus textos, até o momento, tratar de casos como esse, o que acho que seria interessante quando se trata de cidadania materna já que bem comum haver apenas casamento religioso em tempos passados.

    Claro que estou buscando os docs pela linha de meu avô também (o que está bem mais complicado), mas a documentação pelo lado da minha avô está tranquila de obter (tenho, inclusive, o nome, data e local do nascimento do antenato italiano, já fiz o pedido ao comune há poucos dias).

    Assim que reunir o restante da documentação farei a assinatura vip.

    Grande abraço e parabéns pelo blog.

  • Luma Oliveira

    Eu Luma de Oliveira

    Pai Aguinaldo de Oliveira

    Vó Maria de Lourdes Hernandez (1950)

    Bisavó Antônia Luppi Hernandez

    Trisavô Pedro Luppi casado com Luiza de Lucca

    Tetravô por parte de Pedro:

    João Luppi ou Giovanni Luppi (a família diz que é italiano porém não encontramos documentos com a informação), esposa do Tetravô, a Tetravó Italiana Gracia Lioni, essa consta nos documentos do filho de casamento que era Italiana.

    Tetravós por parte de Luiza de Lucca, pais italianos também:

    José de Lucca ou Giuseppe de Lucca e Maria Padovani

    Gostaria de saber se com estas informações consigo tentar cidadania por parte materna.

  • Janaina Roncari Alarcon

    Olá Fabio, eu tenho dúvida se meu caso é materno ou não. Vou te explicar. Eu sou bisneta de um italiano, porém tem uma mulher no meio da história, que no caso é a minha mãe que é nascida em 1943, tem algum problema? Ela entra nessa regra? depois dela vem meu avô nascido em 1911. Muito obrigada e fico no aguardo. Janaina

  • Higor Agnoletto

    Fabio Barbiero, meu tio e meus primos já tiraram suas cidadania eles fizeram o processo aqui pelo consulado no Brasil. gostaria de saber se isso facilita pra mim tirar a minha eu vou fazer o processo ai na Itália.

  • Higor Agnoletto

    Fabio Barbiero, meu tio e meus primos já tiraram suas cidadania eles fizeram o processo aqui pelo consulado no Brasil. gostaria de saber se isso facilita pra mim tirar a minha

  • Elise Reiche

    Olá Fabio! Eu sei que minha cidadania é materna mas não tenho muitos detalhes da minha árvore genealógica. Sei que meus trisavós vieram da Itália e tiveram minha bisavó, que teve minha avó, mãe da minha mãe. O problema é que minha vó nasceu após 1948, por isso acredito ser necessário o pedido judicial, correto? Sei Alguns detalhes além disso, mas não muitos. É suficiente para preencher o formulário acima ou eu preciso saber a quantidade de filhos de cada um e os nomes? Gostaria muito de pelo menos ter uma noção do valor desse processo, tendo em vista que por ser judicial, imagino ser bem mais caro. Muito obrigada! Elise Reiche

    • xys

      @Elise, seus trisavós nasceram na Itália, ok. Sua bisavó nasceu no Brasil, perfeito. Ela passa a cidadania para os filhos q nasceram APÓS 1948, e daí já não importa mais o sexo. Assim, se sua avó nasceu após, ela transmite SEM SER POR VIA JUDICIAL. Eh soh solicitar pelos canais comuns.

  • Marina Cianella

    Olá Fábio!!

    Estou tentando dar entrada no processo de cidadania por ascendência do meu bisavô. Entretanto alguns familiares já me disseram que ele se naturalizou assim que chegou ao Brasil.
    Já sei que no consulado consta que não teria direito à cidadania. Mas segundo algumas pesquisas vi que existe uma chance se eu entrar por meio judicial.
    Li o post que você fala da cidadania por linha materna antes de 1948 , será que esse mesmo advogado pode me auxiliar? Você poderia por favor me enviar por e-mail essas informações? Aguardo ansiosa !

    Att Marina Cianella
    Marinacianella@hotmail.com

  • Francisco Chicao Billar

    Fabio, estou com uma dúvida:
    Minha mãe nasceu em 1945, porém todos os avós dela (tanto paternos como maternos, vieram da Itália)
    Sendo assim, eu conseguiria através do meu avô?(Pai dela).
    Obrigado, parabéns pelos conteúdos!

    • Olá Francisco se ela é a primeira mulher na linha de transmissão, o direito existe sim, fique tranquilo! Abraços

      • Francisco Chicao Billar

        Uma boa notícia enfim. Fiquei feliz. Obrigado Fábio!! 🙂

  • Rayanne Dias

    Olá, Fabio Barbiero. Minha bisavó era italiana. Teve meu avo antes de 1948. Tenho direito à cidadania? Pode ser automático ou deve ser judicial?

  • Kleber Luiz Nogueira

    Meu trisavô (Domenico Giolo) veio da Iltália (Padova) em 1901. Meu bisavô (Antonio Giolo) filho dele teve minha avó (zizia Giolo). Minha avó teve minha mãe (Maria Céila Machado Nogueira, nascida em 1950, e eu 1977. Tenho direito, pelo fato das duas gerações ( minha avó e minha mãe) serem mulheres?

  • Marcos Gustavo Duraes

    Ola. Sempre acompanho o blog. Gostaria de saber o seguinte: Meu Tataravo ITALIANO 1866, Meu bisavô brasileiro 1910, minha avó brasileira 1937 e meu pai brasileiro 1960 , eu 1986. Tenho direito via administrativa ?

  • Marcelo Dornelles Arndt

    Oi Fabio, estou assistindo os seus vídeos. Meus bisavós por parte materna chegaram ao Brasil em 1889. Minha avó nasceu em 1900. Entendi que o processo se dará via judicial na Italia. Irei encaminhar o e-mail ao advogado parceiro do seu Blog. Tenho uma dúvida, nesse caso o processo é feito exclusivamente lá ? Não é necessário preencher o Modelo 6 no Consulado aqui no Brasil “Requerimento para ser inserido na lista de espera para futura convocação para apresentação do pedido de reconhecimento da cidadania . ???

  • Simone Pozza

    Olá Fabio, tudo bem?
    Tenho dúvida quanto ao meu caso.
    Minha cidadania via materna tem a seguinte linha bisavô > avó > mãe > eu.
    Sempre vi as pessoas perguntarem e tirarem suas dúvidas com apenas 1 mulher na linha mas no meu caso são duas. É possível conseguir minha dupla cidadania?

    Obrigada, Simone.

    • Olá Simone em que ano sua mãe nasceu? Se foi após 1948 você pode dar entrada normalmente; se ela nasceu antes de 1948 somente através do pedido judicial. Abraços

  • Adriano Muller

    Boa tarde, gostaria de verificar a possibilidade requere a cidadania por linhagem materna.

    não tenho em mãos as datas de nascimento de minha linhagem, mas irei especificar o caso.

    minha Trisavó é italiana, a filha dela (minha bisavó) nasceu em solo brasileiro, minha vó também no brasil (1945) e a partir daí os demais todos brasileiros. Ou seja, a nacionalidade requerida seria derivada de minha Trisavó!

    Gostaria de saber se neste caso haverá a possibilidade e qual seria o processo!?

    aguardo e obrigado.

    • Olá Adriano seu caso é exatamente igual ao descrito neste artigo. Abraços

  • Pedro Paulo Negrini

    Olá Fábio,

    parabéns pelo ótimo trabalho! Estou lendo o Sagabook e levantando a documentação de meus familiares para tirar a dupla cidadania e surgiu a duvida que é a de muitos(porém não via “minha combinação”). Vamos lá:

    – Bisavô e Bisavó italianos;

    – avó brasileira(1915);

    – Pai brasileiro(1940)

    Tenho direito pela via normal?

    Aguardo sua resposta e muito obrigado!

    • Pedro Paulo Negrini

      @@fabiobarbiero:disqus continuo aguardando sua resposta. Obrigado.

      • Olá Pedro

        A resposta para sua dúvida consta exatamente neste artigo: seu caso se trata de cidadania materna. Abraços

    • xys

      @Pedro Paulo, como seu pai nasceu ANTES de 1948, tem q ser pela derivação materna, ok?

  • Alef Adiglerdan Bezerra

    Olá Fabio, tudo bem?
    Adorei o blog, é bem informativo, mas ainda estou com um problema para dar inicio ao processo de cidadania.
    O meu caso é o da via materna por parte de minha bisavó e tudo que eu tenho dela aqui no Brasil é o registro de chegada no museu do imigrante, certidão de casamento e de óbito no cartório da minha cidade. Também consegui o CNN no site do MJ portanto sei que ela não foi naturalizada.
    O problema é que a comune que consta no registro de chegada não localizou nenhuma certidão de nascimento dela, e infelizmente os meus parentes que poderiam lembrar onde ela nasceu já faleceram.
    Qual sua sugestão, devo contratar um profissional para procurar pela certidão dela nas comunes vizinhas?
    Obrigado desde já!

    • Ana Raquel Ribeiro

      Meu caso é por via judicial com certeza porque homem só foi meu tataravô, o resto só de mulheres nascidas antes de 1948. Enfim, quero saber a porcentagem de sucessos nesses casos. Uma coisa é que reconheçam 300 de 1000 casos apresentados, e outra coisa é reconhecer 300 de 350 casos. Vou entrar de qualquer maneira com o processo, somente gostaria de ter ” por alto” uma expectativa real. Obrigada.

  • Nara M. Gabriel

    Ola Fabio. Tudo bem? Bem. Como você já deve ter percebido, estou reunindo os documentos para o meu marido e eu obtermos o reconhecimento de nossa cidadania.

    Estou com umas dúvidas. O pai do meu marido casou-se duas vezes. É preciso requerer a certidão de inteiro teor dos dois casamentos?

    Enviei requerimento no dia 28.2.2016 para o comune Codognè da Italia para obter certidão de casamento do antenato de meu marido mas até agora não chegou nada. É assim mesmo?

    Obrigada. Nara.

  • Bruno Martineli

    Olá Fábio tenho uma dúvida sobre meu direito a cidadania – via materna

    A minha árvore é a seguinte:

    Trisavô – Trisavó (Ambos Italianos)

    Bisavô (Filho dos italianos)

    Vó – (1939)

    Mãe – (1979)

    Eu – (1999)

    Tenho direito a cidadania via ”normal” ou só por Judicial mesmo? Obrigado.

  • Nara Maria Gabriel

    Boa noite Fabio. Tudo bem? Ótimo o seu blog e seus videos. Parabéns! Me deixou com muita vontade de morar na Italia. Parece ser muito bom!!
    Bem. Minha árvore genealógica é a seguinte: meu avô nasceu em Treviso em 1889. Veio para o Brasil e dentre outros filhos teve minha mãe em 1930. Depois em 1969 eu nasci. Será que tenho direito? Ou há o problema da cidadania materna? Obrigada pela atenção. Abraços.

    • Olá Nara tudo bem?

      Fique tranquila que você tem sim direito pelas vias consideradas “normais” rs Abraços

      • Nara M. Gabriel

        Ola Fabio. Tudo bem? Bem. Como você já deve ter percebido, estou reunindo os documentos para o meu marido e eu obtermos o reconhecimento de nossa cidadania.
        Estou com umas dúvidas. O pai do meu marido casou-se duas vezes. É preciso requerer a certidão de inteiro teor dos dois casamentos?
        Enviei requerimento no dia 28.2.2016 para o comune Codognè da Italia para obter certidão de casamento do antenato de meu marido mas até agora não chegou nada. É assim mesmo?
        Estou pensando em fazer tudo sozinha aqui no Brasil. Da obtenção dos documentos até a legalização para depois combinar com você para ficar ai na Italia e terminar o processo. Adoraria fixar minha residência por ai neste momento, mas sou funcionária pública por aqui, e logo me aposento. Acho melhor esperar por este momento. Você me ajudaria nesta parte?

  • Gabriel Teixeira

    Olá Fábio, acredito que o meu caso seja de cidadania materna, pois o meu bisavô veio da itália, minha avó nasceu em 1912, no Brasil e meu pai em 1938. Será que fica difícil o processo? Muito Obrigado. Gabriel Teixeira.

    • Olá Gabriel

      Sim, seu caso é de cidadania materna, preencha os dados que o próprio advogado vai te responder, ok?

      Abraços

      • Gabriel Teixeira

        Obrigado Fábio. Eu vou iniciar as buscas pelos documentos dos imigrantes aqui no Brasil, pois ainda não fiz isso.

        Até então eu acreditava que não teria direito.

        Abraços

  • Aninha Constantini

    Fábio, tudo bom? Tenho uma dúvida, -> Meu Trisavô nascido na Itália – Meu bisavô no Brasil – Meu Avô – Minha Mãe. Nesse Caso, ela é é nascida em 1960, eu tenho direito a cidadania? Pois meus tios já fizeram toda a papelada, eles já conseguiram ha muito tempo tirar a cidadania, porém disseram q eu não poderia por ser a 5 geração. Então eu ia começar pela parte do meu pai. Mas estava lendo seu blog e vi que pode ter a possibilidade, estou certa? Obrigada! 🙂

    • Olá Aninha tudo bem?

      Você tem sim direito, parabéns 🙂

    • Olá Aninha certissima: não existe limite de gerações para obter o reconhecimento da cidadania italiana. Abraços

  • Pedro Brisolara

    Fábio, tudo bem? Primeiramente queria elogiar tua página, ótimo trabalho que tu faz aqui!
    Meu caso é o seguinte: Meu trisavô veio da Itália no início do século passado (história que me contaram). Ele teve meu bisavô, que teve meu avô, e então minha mãe (no ano de 1981) e então eu. Tenho direito a cidadania italiana por formas naturais? Ou seria necessário formas judiciais para realizar tal processo? Obrigado pela atenção, parabéns pelo teu trabalho novamente. Abraços!!

    • Olá Pedro tudo bem?

      Fique tranquilo que você tem sim direito por vias “normais” rs Abraços

  • Alexandre Pedroso (PhoeniX)

    Olá Fabio,

    Pelas pesquisas que realizei, eu posso tanto tentar a cidadania por vias normais como por processo para cidadania materna.

    (minha avó nasceu antes de 1948 e minha mae depois de 1948. Se eu olhar o pai da minha avó, ele passou cidadania para ela e ela para minha mãe. Se eu olhar para a mãe da minha avó, ela nao passou cidadania para ela e nao passou para minha mão).

    Minha dúvida é, qual os pros e contras dos 2 processos e qual deles é melhor seguir?

    Obrigado

  • Andrea

    Fabio , primeiro gostaria de parabenizar, seu blog, me ajudou muito! Mas gostaria de Saber embora ja enviei, Ao advogado ,Sobre Minha situacao . Minha Avo e Brasileira , Por parte de Pai , que nasceu 12/01/1912 porem seu Filho nasceu no Brasil , em 07/11/1942 Pelo que eu assisti dos videos eu Caio na lei 1948 ? Sendo Meu Bisavo Italiano que imigrou para o Brasil , com sua Esposa e mais 3 Filhos italianos ! Porem todos estao mortos!!! So sei que Minha avo fala que eramos descendentes de Calabres , nao sei onde Meu bisavo Giuseppe Ortale nasceu! Aguardo sua orientacao! ️Obrigada .

  • Wislley Lima

    Boa noite Fabio Barbiero, tudo bom?

    Eu estou muito grato por você ter feito esse maravilhoso progresso com o ”minha saga” e quero também parabenizar a você pelo seu grande e valoroso trabalho, que ajuda milhares de pessoas. Muito obrigado!

    Fabio, recentemente eu encaminhei toda árvore genealógica da minha família, detalhando o meu caso e incluindo também as datas de nascimentos de meus ascendentes, porém, ainda não tive o retorno esperado.
    Me ajude por gentileza em minha solicitação do orçamento que fiz para pessoa habilitada a prestar assistência profissional em assunto jurídico, sendo que já estou reunindo as documentações para iniciar outra etapa do processo ”minha cidadania italiana”.

    Fica com Deus! Forte abraço abbraccio compagno!

  • Tarik Malian

    Olá Fabio, muito bom seu blog obrigado por disponibilizar esse material.

    Abusando um pouco de sua boa vontade, estou nos primeiros passos ainda.

    Minha linhagem é a seguinte:
    Bisavô ( Italiano) – Região de Longare, Veneto – emigrou para o Brasil 01/09/1897 (Porém diz Austriaco no registro do vapor )
    Dele passou para minha avô – nascida Brasil.
    Dela passou para minha mãe – nascida Brasil.

    Eu tenho direito de cidadania ?

    Muito Grato.

    • Olá Tarik tudo bem?

      Em qual ano nasceu a sua mãe? Se depois de 1948 o processo é normal, se ela nasceu antes de 1948, somente por via judicial. Abraços

      • Tarik Malian

        Olá fabio, muito obrigado pela resposta.

        Minha mãe nasceu em 20/05/1950

        Vou reunir todos docs e fazer uma cotação com vcs.

        O fato da cidade de nascimento do meu Bisa ser Longare, Veneto, que na epoca era da Austria, infuencia em algo ?

  • Fernanda Bortolozzo

    Oi Fabio, tudo bem?
    O meu caso é o seguinte: Meu antenato(bisavô) nasceu em 1888 na Italia, meu vo em 1922 no Brasil, minha mãe (primeira mulher na linha) em 1956 e eu em 1978. Eu tenho direito sem ação judicial? Ainda está meio confuso… Muito Obrigada

    • Olá Fernanda tudo bem?

      Você tem sim direito por “vias normais”, fique tranquila rs

  • Márcio José de Oliveira

    Ciao, Fabio !
    Meu caso: Bisavô (nasceu em 1880 em Potenza/Itália) -> Avô (nasceu no Brasil) -> Mãe (nasceu em 1947 no Brasil) -> Eu (nasci em 1972 no Brasil). tenho direito automático à cidadania italiana? Gracie e abbracci.

  • Gislaine

    Oi Fábio,
    se o meu pai é o descentende italiano, minha linha sempre será paterna? Se a mãe do meu pai for italiana ou descendente, eu posso entrar na linha materna, com processo judicial para requerer a cidadania?

  • Philippe Mastellona

    Fabio, primeiro parabéns pelo canal !!!!
    Me tira uma duvida, ainda não tenho a Certidão de Nascimento da minha
    Bisavó ( Italiana) se eu for no cartório que minha Vó ( Brasileira)
    nasceu, vai constar os documento da minha bisavó?Exemplo, a certidão de
    nascimento da minha Bisavó? Outra duvida, minha Vó (Brasileira) não tem o
    Pai reconhecido em sua Identidade, isso pode me dar algum problema para
    reconhecimento da minha Naturalidade Italiana?!

  • Mateus Buzzo

    Olá Fábio.
    Preciso tirar uma dúvida. Para saber se tenho direito à cidadania está bem complicado.
    Minha bisavó era italiana e casou-se com meu bisavó brasileiro. Eles tiveram alguns filhos, inclusive a minha avó, que nasceu em 1924 aqui no BR. Minha avó teve meu pai que nasceu em 1959 também no BR. E eu nasci em 1992, no BR.
    Por mais que minha bisavó fosse italiana, todos seus irmãos nasceram aqui, ou seja, minha avó é filha de italianA, com tios brasileiros filhos de italianos.
    Sendo assim, tenho direito à cidadania?
    Obrigado.

  • Olá Ana, se a mãe é a primeira mulher na linha de transmissão, o direito existe sim. Abraços

  • Philippe Mastellona

    Fabio Barbiero, Boa noite
    Estou com a mesma duvida de todos…te mandei uma pergunta no YouTube mas como ainda não respondeu resolvi perguntar aqui também!
    Veja só, minha Bisavó nasceu na Italia, eu não sei em qual ano ela nasceu, mas a minha Vó nasceu aqui no Brasil no ano de 1928, e minha Mae nasceu em 1967, eu tenho o direito a cidadania?!

    • Olá Philippe você tem direito apenas através do processo judicial conforme as instruções deste próprio artigo. Abraços

      • Philippe Mastellona

        Fabio me tira mais uma duvida, minha Vó que é Brasileira não tem um pai registrado em sua certidão de nascimento, logo minha Bisavó não deve ter uma certidão do casamento dela, esta certidão é obrigatória???

        • Olá Philippe todas as certidões de nascimento e casamento são obrigatórias. Abraços

  • Olá Lucas

    Não, a cidadania parte do italiano que nasceu aqui na Italia, e emigrou ao exterior. Abraços

  • Olá Paula bom dia

    O advogado só responde os pedidos que chegarem completos, com datas e informações detalhadas. Infelizmente muitos tem escrito apenas para “receber orçamento” de qualquer forma, e o cara é super profissional e ocupado, não tem como perder tempo respondendo a quem efetivamente não tem interesse em contrata-lo ou saber mais dos serviços dele. Por isso, se o seu pedido foi incompleto, mande novamente, com o maior número de detalhes possíveis, ok? Abraços

    • Paula Lopes Braga

      Fábio, bom dia.
      Obrigada pela resposta. Eu enviei um pedido completo, com todas as informações que eu tenho e os documentos que eu já consegui. Devo aguardar uma resposta, então? Pelo que eu descrevi acima, eu sou apta a participar desse processo?
      Obrigada.
      Um abraço.

    • Paula Lopes Braga

      Fábio, boa tarde.
      Escrevo novamente porque não tive nenhum retorno do formulário que eu enviei com as informações da minha família. Pelo que eu escrevi anteriormente, acredito que eu seja apta ao processo por via materna, certo? Eu enviei todas essas informações no formulário e não tive resposta. O que eu devo fazer?
      Fico no aguardo.
      Um abraço, Paula

  • Olá Rose pelo que entendi vocês se enquadram na cidadania materna, correto? Em caso positivo é só preencher o formulário deste artigo que o advogado vai entrar em contato com as explicações. Abraços

    • RoseLima

      Oi Fábio, obrigada pela resposta. Sim, creio que sim, mas eu estou apenas obtendo informações para meus irmãos e primos, eu moro em Portugal há 8 anos e meio e tenho cidadania portuguesa por causa do meu marido, que obteve a cidadania por ter mãe portuguesa. Como haverá a necessidade da contratação dos serviços de um advogado, preciso antes ter a concordância de meus irmãos e primos. Encontrei seu blog por puro acaso num link sobre uma matéria sobre “o mico” de comprar uma casa na Sicília e a matéria citava o seu nome. Adorei o blog e com certeza ele é muito útil, até para pessoas que como eu, mudam-se para outros países que não a Itália, parabéns.

  • Phillipe

    Olá, Fábio. Gostaria de saber se tenho o direito automático a cidadania pelo lado materno. Ambos meu bisavô e bisavó nasceram na Itália em partes diferentes de lá. Mas do meu bisavô, creio que seja impossivel conseguir ,pois, ele nasceu em Roma (esse tem sido aliás, meu problema!). Aguardo pela sua resposta.

  • Braian B. Caetano

    olá. Fabio Barbiero, tenho uma duvida sobre meu caso.
    minha bisavó e meu bisavô veio da Itália para o Brasil certo? certo, então tiveram 8 filhos inclusive minha avó que nasceu aqui no brasil antes do ano de 1948 e teve meu pai nascido após 1948. gostaria de saber se tenho o direito automático, da cidadania??? caso n tenha esse direito existe a possibilidade do processo???
    aguardo ansioso sua resposta. desde já agradeço seus esforços.

    • Olá Braian se a sua avó é a primeira mulher na linha de transmissão, então você tem sim direito, parabéns!

  • Ana Nardi

    Fábio, pretendo fazer o processo diretamente na Itália, mas tenho uma dúvida se meu processo seria o normal ou se seria necessária ação judicial . Meu caso é: bisavô italiano(nascido em 1884), avô brasileiro (nascido em 1919), mãe brasileira (nascida em 1947), eu (nascida em 1979).
    Obrigada desde já pela ajuda!

    • Fabio Barbiero

      Olá Ana

      Seu processo é normal, não precisa entrar na justiça não, pois você recebe normalmente a cidadania da sua mãe, pois nasceu após 1948. Abraços e parabéns 😉

  • manoella

    Olá : )
    estou em dúvidas no meu caso.

    Meu tataravô veio de lucca e depois de um tempo trouxe o restante da familia. Minha bisavó nascida em 1910 se casou aqui no brasil e teve a minha avó ( nascida antes de 48 )que teve meu pai(nascido em 1956) e assim veio eu( nascida em 1990) . No caso entra pela lei materna ou não? Pois tive uma consulta com a advogada e ela me disse que pegando pelo meu tataravô não entraria..

    • Fabio Barbiero

      Olá Manoella

      Sim, se trata de cidadania por derivação materna. Abraços

  • Giovani

    Olá Fabio, primeiro parabéns pelo blog, o mais sensato dentre muitos, e você sempre muito coerente, gostaria de saber como você disse que seria aprovado até o fim de 2015 o fim da lei de 1948, mas posteriormente disse que não entrou em pauta, você sabe de alguma novidade, sabe se pode acontecer no começo de 2016 ou não há previsão nenhuma a respeito, porque não sei se entro com processo e gasto uma grana ou espero mais um pouco e guardo dinheiro para começar a vida ai na Itália entende, o que você acha…………………..agradeço desde já sua colaboração.

    Att.

    Giovani

    • Fabio Barbiero

      Olá Giovani

      Infelizmente não há nenhuma expectativa que este assunto retornará à pauta. Abraços

  • Roberta

    Olá, Fábio! Eu sempre achei que não tivesse direito à cidadania, mas agora lendo os comentários aqui, fiquei na dúvida. Meu caso: tataravô italiano – bisavó brasileira (nascida antes de 1948) – avó brasileira (nascida antes de 1948) – mãe brasileira (nascida depois de 1948).
    O fato da minha bisavó brasileira ter nascido antes de 1948 não atrapalha meu direito à cidadania?
    Outra dúvida: já há um processo aberto na Itália pelos descendentes do meu tio-bisavô (filho do meu tataravô, irmão da minha bisavó). Todos eles conseguiram a cidadania. Caso eu tenha direito à cidadania, posso aproveitar o mesmo processo, apenas anexando os documentos da minha bisavó, avó e mãe? Obrigada!

    • Fabio Barbiero

      Olá Roberta

      Direito você tem, porém não poderá dar entrada normalmente, pois como sua avó nasceu antes de 1948, você terá que solicitar na justiça italiana o pedido de reconhecimento. Entre no link a seguir e descreva o seu caso no formulário. Assim o seu pedido será encaminhado ao nosso advogado especialista no assunto, que te mandará um orçamento para efetuar o processo sem sair do Brasil: http://www.minhasaga.org/2015/09/cidadania-materna-na-minha-saga-2.html Abraços

      • Roberta

        Obrigada, Saga!

  • Bruno Mattioli

    Olá Fabio,

    Gostaria de tirar uma dúvida sobre a minha linha sucessória. Não tenho certeza se tenho a necessidade do processo materno, pois tem uma mulher (minha avó) na linha.

    Bisavô italiano (18xx) / bisavó italiana (18xx)
    Avó brasileira (1918)
    Pai brasileiro (1951)
    Eu

    Pelo que entendí, teria possibilidade de solicitar pelo bisavô ou pela bisavó.
    Pelo bisavô, tenho parentes que solicitaram diretamente na Itália.
    Pela bisavó, não tenho informações e ainda não tenho a certidão de nascimento dela.

    Se for possível prefiro solicitar por meio judicial para não ter a necessidade de ir a Itália.
    Qual seria a melhor opção?

    • Fabio Barbiero

      Olá Bruno tudo bem?

      Seu processo é considerado “normal”, não há necessidade de entrar com um pedido judicial não. E não existe pedido judicial para quem tem direito administrativo, não existem pressupostos para um pedido destes.

      Abraços

  • Jéssica Inácio da Silva

    Olá Fábio!

    No caso de minha mãe ser a unica mulher nessa árvore genealógica, nascida em 1959, posso entrar com o processo “normal”, certo?

    Agradeço desde já!

    • Fabio Barbiero

      Olá Jéssica

      Pode sim 🙂

      • Jéssica Inácio da Silva

        Obrigada Fábio! 😀

  • fabio
    Meus bisavós vieram para o Brasil em 1889 com cinco filhos e aqui em 1909 nasceu minha avó Theresa ,casou e teve meu pai Affonso nascido em 1932 , eu nascido 1969 tenho chances de ser reconhecido cidadão italiano , pois quero viver na Itália.

    • Fabio Barbiero

      Olá Hebert

      tem sim, basta entrar em contato com o advogado através do formulário. Abraços

  • Jan Aranha Ferreira

    Olá Fabio,

    Primeiro parabéns pelo blog e seu trabalho.
    Em meados de 2002, minha mãe se preencheu o formulário para o reconhecimento da cidadania italiana. Mas por falta de informações na época ela não viu que todos os filhos maiores de 15 anos precisariam de um formulário cada um.
    Aconteceu que em 2011, ela recebeu a carta da força tarefa, para comparecer ao consulado para o reconhecimento, mas, apenas ela seria agraciada e nenhum dos filhos. Fui aconselhado pelo patronato na época à enviar a documentação de todos nós, filhos, junto com o processo, na esperança que pudessem reconhecer de todos. Enfim, todos os docs. estavam ok, mas não quiseram fazer o reconhecimento. Pediram para enviarmos o formulário para lá e esperar na fila.
    Então agora minha mãe já tem o passaporte e nós não.

    Minhas dúvidas são as seguintes:
    – existe algum caminho mais curto para obter a cidadania?
    – conversei com um escritório que oferece serviços iguais ao seu, disseram que existe uma lei que obriga o consulado emitir nossa cidadania num curto prazo, isso é verdade?

    Gostaria de saber pois eles cobram um valor bem alto por pessoa.

    att
    Jan

    • Fabio Barbiero

      Olá Jan tudo bem?

      Infelizmente não existe nenhuma forma de acelerar, e o que te disseram não tem nenhum embasamento legal, a lei é clara: todos os cidadãos maiores de idade devem proceder com o próprio requerimento, obedecendo a fila existente. Abraços

  • Fabio

    Fabio, boa tarde!
    Como vai? Espero que tudo esteja bem!

    Meu caso se encaixa no reconhecimento via materna:
    bisavô italiano (casou-se no Brasil) – avó – meu pai (nascido em 1940) – eu.

    Estou iniciando a juntada de certidões aqui no Brasil.

    Sabemos que outros descendentes do meu bisavô já obtiveram o reconhecimento da cidadania italiana (filho e netos de um dos irmãos da minha avó). Pergunto: isso pode de alguma forma facilitar as coisas?

    Parabéns pelo “Minha Saga”.
    Sucesso sempre a você.

    Abraços do xará
    Fábio

    • Fabio Barbiero

      Olá Fábio tudo bem?

      Infelizmente não, o fato de outros familiares já terem obtido o reconhecimento não te ajuda, pois os processos são individuais.

      Grande abraço

      • Fabio

        Fabio, obrigado pela resposta.
        Bem, vou prosseguir na juntada de documentos.

        Baixei o Sagabook, é excelente! Vou recomendar.

        É bem provável que precisarei dos serviços do advogado. Preenchi o formulário acima, enviei mensagem solicitando orientações (um primeiro contato) e aguardo resposta.

        Obrigado.

        Abraços
        do
        Fabio

  • Oi Fábio!
    Preenchi o formulário há três semanas, quanto tempo leva para vir a resposta?
    Abraços

    • Fabio Barbiero

      Olá Juliane

      Você enviou todos os detalhes referentes à sua árvore genealógica? Pergunto pois o advogado só responderá aos pedidos que efetivamente conterem os detalhes. Muitos estão enviando mensagens aleatórias, como por exemplo pedindo preço, sem antes explicar o caso – isso além de ser uma baita falta de respeito com o profissional, fará com que a resposta seja ignorada. Certifique-se de ter escrito todos os detalhes do seu processo, ok?

      Abraços

      • Luís

        Oi Fábio,

        Eu também enviei ha algum tempo e não obtive resposta.
        Eu acredito que enviei os detalhes necessários para pedido do orçamento, isto é, contei como é minha árvore genealógica desde os italianos de forma sequencial até mim.
        Meu objetivo era iniciar o contato e de forma alguma tive intenção de desrespeitar os profissionais envolvidos, mas talvez a mensagem tenha sido ignorada. Como posso melhorar uma próxima mensagem? Ou seja, o que exatamente devo colocar?

        Muito obrigado,
        Abraços

  • Fabiana Ferracuti

    Ciao, Fábio!

    Parabéns pelo blog, tenho acompanhado para sanar minhas dúvidas com este dilema muito importante para mim que é a cidadania.
    Vou dar uma resumida: sou neta de italianos e minha mãe possui a cidadania que foi tirada em Fermo, Marche onde residiu. Minha dúvida é: para eu fazer o pedido da minha cidadania, é diretamente com os documentos da minha mãe ( nascimento, casamento, cidadania)?
    Grazie!

    Fabiana Ferracuti

    • Fabio Barbiero

      Olá Fabiana

      Se você pretende ir ao mesmo comune que a sua mãe fez, entre em contato com eles e verifique se os documentos ainda estão disponíveis e se podem ser utilizados. Embora pareça absurdo, mas a ideia que os consulados / comunes seguem é que mesmo que um ascendente tenha obtido o reconhecimento, ele não se transformaria no seu “antenato italiano”. Abraços

  • Marcelo Gutierre

    Boa tarde Fabio!

    Meus bisavós materno são italianos, posso solicitar a cidadania?

    Grato

    • Fabio Barbiero

      Olá Marcelo

      Sim, baixe o Sagabook para entender como tudo funciona.

      Abraços

  • Daniela campos

    boa noite! Gostaria de saber depois do processo julgado e já dado a sentença de reconhecimento da cidadania italiana por via materna quanto tempo leva pra mandar os papeis pro Brasil com o reconhecimento da cidadania italiana? Por via materna! E o consulado aqui do Brasil reconhece essa cidadania? Obrigado!

    • Fabio Barbiero

      Olá Daniela

      Este tipo de pergunta deve ser enviado diretamente ao advogado, através do formulário, ok?

      Abraços

  • ola fabio estou em duvida quanto minha linha de transmissão.
    Ferrucio(antenatto)-Adelina-Agenor(1943)-Eu
    Tenho direito??

    • Fabio Barbiero

      Olá Victor

      Só via materna.

      Abraços

      • Ola fabio tenho o privilegio de poder escolher, tenho 3 linhas:
        Ferruccio(antenatto)-adelina-agenor(1943)-eu(minha mãe)
        Luis(antenatto)-aparecida-maria antonia(1950)-eu(minha mãe)
        Attilio(antenatto)-adolfo-antonio-eu(meu pai)
        “eu”no caso seriam meus pais, minha mãe quer fazer o processo então automaticamente eu também sou reconhecido.
        Qual linha você indicaria?
        A linha do meu pai seria mais complicado pois faltam informações e seria dificil ele ficar um tempo na italia.
        Ja pela minha mãe é mais facil pois as filhas dos meus antenattos, minhas bisavós estão vivissimas.
        obrigado pela atenção.

        • Fabio Barbiero

          Olá Victor bom dia

          Se você é maior de idade, não é correta a informação de que seus pais obtendo o reconhecimento, você adquire automaticamente – somente os filhos menores obtém esta vantagem.

          Quanto à linha de transmissão, apenas você pode saber qual delas é melhor, eu não tenho elementos para isso, ok?

          Abraços

          • Ola fabio sou menor de idade sim,minha mãe quer realizar o processo para garantir a minha cidadania e da minha irmã com medo dos boatos sobre o limite de gerações, enfim a duvida dela é o seguinte:O requerente tem de ficar todo o periodo de 3/4/5/6 meses na italia?
            Ela gostaria de te contratar pois gostou dos seus serviços e a previsão de te contatar para nos ajudar seria entre 2017/2018 sua agenda esta livre?
            Abraços

          • Fabio Barbiero

            Olá Victor

            Agradeço o interesse, mas ainda não abrimos as vagas para 2017, por isso não temos como atende-los.

            Abraços

  • Luís

    Fábio,
    Por um avô tenho a possibilidade de pedir o reconhecimento por linhagem masculina e por outro pela linhagem feminina através desse tipo de processo.
    O que você acha que compensa mais financeiramente, fazer o pedido pela linhagem masculina na Itália (conforme sagabook) ou da linhagem feminina atráves de processo aqui no Brasil?

    Obrigado

    • Fabio Barbiero

      Olá Luís tudo bem?

      Com certeza compensa mais (em termos financeiros) dar entrada diretamente no Brasil, pois o custo por requerente é de apenas 300 euros. A desvantagem é o tempo que o processo leva.

      Abraços

      • Luís

        Fábio, obrigado por responder.

        Adicionalmente, existe algum risco de revogação da cidadania materna obtida por vias jurídicas? Em outras palavras, a cidadania por via materna é menos segura que a masculina (após a obtenção)?

        Obrigado!

        • Fabio Barbiero

          Olá Luís

          Não, não existe.

          Abraços

  • Elson

    Muito bom o artigo.
    Temos um Primo que está com processo na Italia para conseguir o reconhecimento da Cidadania Italiana via Materna.
    Existe alguma previsão de quanto tempo este processo demora na Itália?
    Caso todos os documentos estejam Corretos este processo pode ser iniciado imediatamente ou é preciso alguma outra providencia?

    • Fabio Barbiero

      Olá Elson

      Estatisticamente o processo dura entre 1,5 e 2 anos, pois depende de vários fatores, tal qual no Brasil. Dúvidas mais “cabeludas” podem ser enviadas diretamente ao advogado, através do formulário, ok?

      Abraços

  • Ney

    Olá Fábio
    Antes de mais nada, parabéns pelo seu blog – o sigo pelo FB.
    Sou neto de avó italiana. Minha mãe era brasileira nascida antes de 1948.
    Dentro das novas regras para “cidadania materna” explicadas acima, tenho alguma chance, mesmo que estatisticamente falando?
    Antecipadamente grato por uma resposta.

    • Fabio Barbiero

      Olá Ney tudo bem?

      Absolutamente sim, a ideia é exatamente dar o direito ao reconhecimento aqueles que, juridicamente, o tem.

      Abraços

  • Barbara

    Esse processo só pode ser feito direto com o filho da mulher italiana nascido antes de 48, ou eu posso resolver para dar direito ao meu bisavô já morto?

    • Fabio Barbiero

      Olá Barbara

      “Dar direito ao meu bisavô já morto”???

  • Marcia

    Olá Fábio,
    Você saberia me dizer se ele já cuidou de processos de cidadania materna aos descendentes trentinos?

    Obrigada,
    Marcia

    • Fabio Barbiero

      Olá Marcia

      Os descendentes trentinos não tem mais direito ao reconhecimento.

      Abraços

  • Andrea

    Olá Fábio, Você tem notícias sobre a questão da mudança da cidadania via materna que está sendo alterada no congresso italiano? Já tinha ouvido falar que até o final do ano provavelmente já estaria votada e sancionada, e depois ouvi aqui no seu canal do YouTube a confirmação.
    Seu site é excelente e de grande ajuda a comunidade brasileira, Parabéns!

    • Fabio Barbiero

      Olá Andrea

      Infelizmente mais uma vez não passou de fogo de palha, pois os nossos estimados representantes do governo italiano eleitos no Brasil simplesmente não servem para absolutamente nada.

      Abraços

  • Diorgenes Belchior Correia Alves

    Sou da familía Garabelli, de Reggio Di Calabria. Trineto de Angelo Garabelli, que veio para o Brasil em 1865.

  • Murilo

    Bom dia Fabio..
    Gostaria de fazer um orçamento com você, saber como você trabalha, preço, estadias, etc… como conseguir essas informações?? qualquer coisa, pode me enviar por e-mail… obrigado..

    • Fabio Barbiero

      Olá Murilo tudo bem?

      Acesse na parte superior do blog a sessão “Contato com a Minha Saga”; lá você encontrará todas as informações necessárias.

      Abraços