As 20 Melhores Universidades da Europa para Estudar

Recentemente li o artigo La top 20 delle università europee da fare per trovare lavoro, que é muito interessante a quem pretende aproveitar a sua cidadania italiana para estudar em um país aqui na Europa.

Encontrei este artigo no site da Business Insider Italia, que por sua vez cita a publicação original do Times Higher Education na Inglaterra.

No final deste artigo, deixarei todos os links para consulta.

O ESTUDO: UNIVERSIDADES E “EMPREGABILIDADE”

O tema base desta publicação foi criar uma lista das universidades cujos alunos tem as melhores perspectivas em conseguir sua vaga no mundo do trabalho!

Ou seja, estudar em uma destas universidades é praticamente garantia de bons contratos após a conclusão do curso.

O único ponto negativo é que dentre as 20 melhores universidades, não consta nenhuma italiana 🙁

As universidades desta lista estão em 5 diferentes países, vejamos quais são, em ordem de  quantidade em cada um deles:

  1. Reino Unido = 8 Universidades
  2. França = 6 Universidades
  3. Alemanha = 3 Universidades
  4. Suíça = 2 Universidades
  5. Espanha = 1 Universidade

A LISTA DAS 20 MELHORES UNIVERSIDADES DA EUROPA

20) Goethe University Frankfurt, Frankfurt – Alemanha

Fonte: Goethe University Frankfurt

Com seus 37.353 estudantes, a universidade conta com 16 faculdades, tendo destaque os cursos de Direito, História e Economia.

Site: http://www.goethe-university-frankfurt.de

19) University College London – Reino Unido

Fonte: Wikipedia /Steve Cadman

A UCL é uma instituição científica especializada em pesquisa, com mais de 850 docentes, de um grupo acadêmico composto por mais de 6.000 pessoas, incluindo pesquisadores e também com cerca de 36.000 estudantes.

52% dos alunos que estudaram por lá, são pós graduados.

Site: http://www.ucl.ac.uk

18) London School of Economics and Political Science – Reino Unido

Fonte: London School of Economics and Political Science
Fonte: London School of Economics and Political Science

A LSE é especializada em Ciências Sociais, em particular Economia, Política, Sociologia, Direito e Antropologia.

Nela estudam 10.600 estudantes, além de cerca de 3.000 docentes e pesquisadores.

Nela estudaram nada menos do que 16 ganhadores do prêmios Nobel, como os filósofos Bertrand Russell e figurinhas como o cantor dos Rolling Stones, Mick Jagger.

Site: http://www.lse.ac.uk

17) École Polytechnique, Paris – França

Fonte: Wikipedia CC 3.0

Normalmente conhecida como “X”, esta universidade, altamente seletiva, foi fundada por um matemático em plena Revolução Francesa,  no ano de 1794.

Conta com 3 alunos ganhadores do prêmio Nobel.

Site: http://www.polytechnique.edu

16) CentraleSupélec, Paris – França

CentraleSupélec foi criada em 2015, resultado da fusão de duas universidades francesas: Ecole Centrale Paris and Supélec.

Seu principal campo de ensino são cursos na área de Engenharia.

Site: http://www.l2s.centralesupelec.fr

15) Mines ParisTech, Paris – França

Mines ParisTech é uma das mais importantes universidades de Engenharia da França.

Seu nome oficial é “École Nationale Supérieure des Mines di Parigi.”

Site: http://www.mines-paristech.fr

14) École Polytechnique Fédérale di Lausanne – Suíça

Fonte: Mikado1201/Wikipedia

École Polytechnique é uma escola líder nos campos de Ciência e Tegnologia, com cerca de 3.000 estudantes e 670 professores.

Site: http://www.epfl.ch

13) École Normale Supérieure – França

Fonte: Wikipedia CC 3.0

Conhecida como ENS, esta universidade também foi criada durante a Revolução Francesa, por professores que ensinavam aos alunos os valores do Iluminismo.

Desde então, forma alunos que procuram carreiras diplomáticas e também no mundo acadêmico

Site: http://www.ens.fr

12) University of Edinburgh – Reino Unido

A famosíssima Universidade de Edinburgh foi fundada em 1583, sendo então a sexta mais antiga universidade de língua inglesa do mundo.

Cont com 35.000 estudantes em três áreas: Letras e Ciências Sociais, Ciências e Engenharia, e Medicina (incluindo Medicina Veterinária).

Entre seus alunos mais famosos, estão Charles Darwin, Alexander Graham Bell e Sir Arthur Conan Doyle.

Site: http://www.ed.ac.uk

11) LMU, Munique – Alemanha

Fonte: Wikipedia/Gryffindor

Fundada em 1472, a Universidade Ludwig-Maximilian di Munique é uma das mais antigas do mundo.

Considerada uma das mais prestigiadas da Alemanha, é bastante respeitada no campo da pesquisa, e conta com mais de 50.000 alunos.

Site: http://www.en.uni-muenchen.de

10) Istituto Federale Svizzero di Tecnologia, Zurigo – Svizzera

Fonte: Lukas Koster/Flickr

Conhecida também como ETH de Zurique, esta universidade ensina Ciências, Tecnologia, Engenharia e Matemática.

Site: http://www.ethz.ch

9) EMLYON, Lyon – França

EMLYON é uma das principais escolas de Business na França.

Embora sua sede seja em Lyon, ela está presente em outras parte do mundo, como China e Marrocos.

Os cursos de Administração são considerados os melhores da Europa.

Site: http://www.em-lyon.com

8) Instituto de Empresa – Espanha

Fonte: Wikipedia CC 3.0

O IE tem três sedes na Espanha.

É uma universidade particular, especializada em Economia e Direito e seus alunos estão entre os que mais conseguem emprego por ter estudado por lá.

Site: http://www.ie.edu/business-school

7) University of Manchester – Reino Unido

Fonte: Google+

A Universidade de Manchester tem quase 40.000 estudantes – sendo a maior universidade em números de alunos.

Ela também declara ser a universidade com a mais vasta gama de ex alunos da Europa, com cerca de 300.000 pessoas provenientes de 190 Paesi, incluindo 25 prêmios Nobel.

Site: http://www.manchester.ac.uk

6) King’s College, Londres – Reino Unido

O King’s College é um dos mais respeitados centros de ensino de Londres.

Embora ofereça cursos em diversas áreas, o King’s College é conhecido pela excelência na área da Saúde, considerada a maior da Europa.

Seus mais de 27.000 alunos estudam nos três hospitais pertencentes ao campus, e entre estes, cerca de 10.500 são pós graduados.

Site: http://www.kcl.ac.uk

5) HEC, Paris – França

Fonte: STEPHANE DE SAKUTIN/AFP/Getty Images

A prestigiosa Business School se localiza ao sul de Paris.

Seu programa de Administração é concorridíssimo, porém vale a pena: seus alunos são requisitados em várias empresas ao redor do mundo.

Site: http://www.hec.edu

4) Imperial College, Londres – Reino Unido

Fundada em 1907, é uma universidade científica, com sede no centro de Londres.

Tem quatro áreas principais: Ciências, Engenharia, Medicina, e Economia.

14 dos seus ex alunos ganharam o prêmio Nobel, incluindo o Sir Alexander Fleming, o homem que descobriu a penicilina.

Site: http://www.imperial.ac.uk

3) Technische Universität München, Munique – Alemanha

Fonte: Wikicommons

A TMU é uma dos principais Polos Tecnológicos da Alemanha.

Também é membro do TU9, uma associação de universidades antigas e prestigiosas da Alemanha.

Entre os seus ex alunos é possível contar 13 prêmios Nobel.

Site: http://www.tum.de

2) University of Oxford – Reino Unido

Fonte: Tejvan Pettinger Flickr

Oxford é a universidade de língua inglesa mais antiga do mundo e está no topo da lista de empregabilidade dos seus alunos.

Contém inúmeros cursos e áreas de enorme relevância, porém é particularmente conhecida nas áres de Ciências e Pesquisa.

Site: http://www.ox.ac.uk

1) University of Cambridge – Reino Unido

20 melhores universidades da Europa
Fonte: Azeira/Wikipedia

Conta com mais de 18.000 studenti, 4.000 dos quais vem do exterior e estudam nos 150 diferentes departamentos da universidade.

Cambridge tem uma enorme rede de ex alunos de sucesso: 92 pessoas – entre alunos e professores – receberam o prêmio Nobel em suas áreas.

Site: http://www.cam.ac.uk

CONCLUSÃO

Este estudo tem como principal objetivo listar as universidades através da empregabilildade dos seus alunos.

Ou seja, quem estuda em uma das universidades listadas, tem muito mais chances de ascender na carreira profissional do que estudantes de outras universidades.

A propósito, aqui no blog já existem vários artigos sobre estudos, embora a maioria deles, claro, sejam relacionados aos estudos na Itália.

Para acessar diretamente estes artigos, basta clicar aqui.

Não deixe de acessar os sites do Business Insider e também do Times Higher!

No primeiro, você vai encontrar bastante material sobre empreendedorismo na Itália, além de poder testar e treinar o seu conhecimento na língua de Dante.

Já no segundo, você encontrará além dos temos aqui descritos, de forma mais aprofundados,  também encontrará materiais relacionados a estudo e carreira, na língua inglesa.

Os sites são:

Business Insider Italia
Times Higher Education

Um enorme abraço, bons estudos, e até o próximo post 🙂

  • Aercio Langra Junior

    Ola Fabio, minha pergunta não faz parte do tema porem espero que possa me ajudar tive minha Cidadania reconhecida a uma semana e ja dei entrada no passaporte, porem quando fui entregar o o modulo de requerimento nao sabia o que preencher na seguinte pergunta: è a conoscenza di motivi ostativi al rilascio del passaporto si o no?. Expliquei a semhora que me atendeu e ela perguntou se tinha algum problema com a justiça ou policia, eu disse que não ela emtao marcou a opção SI, so depois de ter feito tudo achei estranho que ela marcou SI, entrei na internet e achei o modulo preenchido por você onde você marcou NO. Será que tem algum risco de meu passaporte nao sair? E o que eu devo faZer caso não saia?

    Obrigado desde já!!!

  • LeS

    Bullshit, bullshit….. Na Europa, muito diferente do Brasil, vir de uma universidade “com nome maior” torna o aluno recém graduado talvez “só um pouquinho mais cool”. O ensino na Europa é extremamente nivelado, de forma que praticamente não hajam discrepâncias entre instituição A e B. Esses rankings são, primeiramente, puro marketing. Segundo, levam em conta fatores que correlacionam diretamente com o tamanho da universidade, como número de publicações, número de cadeiras e visibilidade na Internet. Ora pois, se uma universidade tem portanto 200.000 alunos e 400 professores, ela automaticamente estará nestes ranking muito muito acima de instituições menores (muito comum na Europa) de 4.000 alunos e 40 professores, como a que estudo. Mas se analisarmos por exemplo a relação publicações x pesquisador, verificar-se-á que as instituições são extremamente semelhantes e niveladas. Isso inclusive, é na minha opinião o que difere a escolaridade da Europa da do Brasil: no Brasil, temos universidade excelentes e excepcionais, extremamente respeitas, como USP, Unicamp e UFRJ. Mas estas são exceções à regra: ao mesmo tempo, há no Brasil para cada universidade conceituada no mínimo 100 “faCÚs” que nem abertas deveriam estar. O grande trunfo do ensino europeu é fazer com que os alunos “ruins” tenham um mínimo de conhecimento a ponto de poderem ser profissionalmente úteis. É como um time de futebol, melhor ter 11 jogadores médios-bons, do que ter 10 pernas de pau e um Pelé. Voltando ao mérito das universidades europeias e essa lista fajuta, outro ponto que vou abordar é que estudar numa universidade que tenha tido 13 nobels não
    torna o aluno um nobel. Estudar na universidade onde Max Planck ou
    Einstein estudaram, não torna o aluno Max Planck ou Einstein. Esse tipo
    de “honraria” é do ponto de vista do ensino, completamente irrelevante e serve no máximo, para ostentar numa rede social.
    Concluindo, aos alunos brasileiros que queiram estudar na Europa e estiverem lendo isso, dêem pouca ou nenhuma atenção a esta lista e a rankings. Preocupe-se em estudar em uma instituição que tenha professores acessíveis e que seja em um país, cuja língua você tenha total domínio. Aqui as notas e o desempenho acadêmico contam muito na hora de se candidatar para uma vaga e o conhecimento do idioma vai correlacionar também diretamente com seu desempenho acadêmico. E também, claro, que você consiga pagar! Muitas universidades europeias são gratuitas, e muitas são gratuitas para europeus (italo-brasileiros). Essas britânicas dessa lista por exemplo, vão totalmente na contra-mão, para se formar lá, você provavelmente vai ter que vender os rins.

    Para brasileiros que queiram seguir carreira acadêmica (doutorado, habilitação, professor universitário), é claro então que trabalhar (porque doutorado é também um trabalho) em uma universidade maior pode render algumas vantagens na visibilidade das publicações. Mas para alunos com graduação no Brasil que querem fazer um mestrado e depois partir pra carreira em empresas privadas, vem na minha e desencana disso tudo.

    (Fonte das informações: vivência própria – sou engenheiro formado na mais conceituada escola de engenharia do Brasil e estou no momento terminando meu mestrado na Alemanha – a propósito, instituições alemãs reconhecidamente como “maiores” que as 3 dessa lista não estão aí, o que só prova o quão fajuta ela é…. KIT, RWTH, Uni Heidelberg, TU Berlin… e tenho certeza que um cara bem formado nas italianas Polito ou na Polimi encontrará emprego sem maiores problemas no final)

    • Lucas Agostinis

      Ola LeS… So por curiosidade, qual e essa escola de engenharia brasileira tao conceituada? Que engenharia e?

    • Leandro Morrison, a menos que você seja headhunter e trabalhe PROFISSIONALMENTE caçando talentos dentre as universidades européias, seu relato vale tanto quanto as suas primeiras palavras: bullshit, bullshit.

      Te convido a criar seu próprio espaço para discorrer seus próprios conteúdos (já que você se sente altamente qualificado para discorrer sobre a vasta gama de universidades na Europa, embora tenha apenas estudado em duas únicas instituições, pelo seu próprio relato -sendo uma delas no Brasil…) ao invés de criticar e tentar “desconstruir” o trabalho e esforço dos outros.

      Seu tempo – e principalmente o nosso – seria muito melhor aproveitado, já que você se ocuparia (claramente é desocupado para escrever textão inútil pelo mundo digital) e eu não teria que perder tempo respondendo este tipo de comentário completamente inútil…

  • EdenilsonD

    Fabio,

    Desculpe utilizar esse meio para fazer pergunta diversa do tema. Mas, estou meio perdido, se você puder apontar a direção agradeço imensamente.

    Com relação a casos de filhos naturais, se na certidão de nascimento consta como declarante somente o pai, e quem transmite a cidadania é a mae, nao sendo possivel o reconhecimento materno em escritura publica, devido a mãe ja ter falecido, seria valido nesse caso, apresentar como comprovante de maternidade, o documento de consentimento para o casamento do filho (que na epoca era menor de idade) emitido pela mae autorizando o mesmo a se casar? Esse documento é reconhecido como comprovante de maternidade e pode ser utilizado para o processo de reconhecimento de cidadania iure sanguinis na Italia?
    Os comunes aceitam esse tipo de documento e o consideram idoneo? Ou realmente estou impedido e devo desistir da meta?
    O que preciso fazer? Assinar a area VIP escola de cidadania, para que você analise os documentos e determinar se tenho direito? Ou logo de cara é possivel dizer que estou impedido?
    Atenciosamente
    Edenilson

  • Lucas Agostinis

    Belo artigo Fabio!!
    Infelizmente não avistei a Politecnico di Milano na lista, e é meu alvo.
    Diga-me você, com todo seu tempo de Itália, o que já ouviu falar a respeito da Polimi? Ela é bem aceita? Vale a pena tanto esforço pra ser aprovado?!
    Abraço.