Aniversario de 35 anos – em Paris

Ciao a tutti

Queridos amigos, inicio este post agradecendo a todos que me escreveram, enviaram mensagens de texto, som, video, pombo-correio, coruja do Harry Potter, sinais de fumaça e tudo aquilo que foi possivel parabenizando-me pelas 35 primaveras apenas completadas, mais precisamente no dia 16 de julho passado.

Quem acompanha este blog sabe que sou praticamente um garoto propaganda da companhia aérea irlandesa Ryanair, pois jà perdi a conta de quantas vezes voei com eles. E no final de semana passado, mais uma vez aproveitei uma das promoçoes e là fomos nòs – eu e a Lu – comemorar meu aniversàrio num dos lugares mais romanticos do mundo – Paris (Parigi em italiano…)

Tinhamos acabado de desembarcar no aeroporto de Beauvais – na França

O segredo de conseguir boas promoçoes é comprar com bastante antecedencia. Nòs conseguimos dois bilhetes de ida e volta por 130 euros (com todas as taxas inclusas) isso porque compramos com apenas um mes de antecedencia. Com certeza que compràssemos com mais tempo teriamos encontrado um preço ainda melhor, imaginem!!!

Como o dever nos chama e a cada dia temos novos clientes chegando, nossa viagem foi bastante ràpida – saimos de Pisa na sexta-feira do dia 15 de julho e retornamos no domingo, dia 17 de julho – portanto imaginem o quao complicado foi planejar essa viagem!!!

Como sou um antigo frequentador de fòruns e sites de mochileiros e viajantes doidos, fui logo pesquisar o sistema de onibus turistico de Paris e descobri que existem duas empresas: a Les Cars Rouges e a L'Open Tur Paris.

O sistema SightSeeing

Conhecido também como SightSeeing, é um sistema mundial de onibus turisticos com dois andares, utilizando o sistema "sobe e desce" ou seja: o portador do bilhete pode subir e descer quantas vezes quiser durante o periodo em que durar o seu bilhete, que pode ser de 1 dia ou 2 dias. Além disso, quando voce entra no onibus pela primeira vez, voce recebe um fone de ouvidos para acompanhar o roteiro na lingua que preferir. Eu particularmente acho sensacional a idéia, pois voce pode andar de onibus por toda a cidade (e com isso economizando em onibus normais e metros) além de contar com a explicaçao na sua lingua dos diversos pontos turisticos.


No nosso caso, pagamos 30 euros cada um para usufruir do onibus durante 2 dias! Além disso, escolhemos a empresa L'Open Tur porque eles oferecem 4 roteiros, com mais de 50 paradas!!! Iniciamos o tour no proprio dia 15 de julho e sò conseguimos fazer 3 deles – o ùltimo fizemos no dia 16.

PARIS – VERDADES E MENTIRAS

1 – a dificuldade com a lingua francesa

VERDADE – Confesso a voces que estàvamos um pouco preocupados, pois nenhum de nòs falamos frances. Eu atè comprei um livro de frases de viagem, estudei alguns dias mas é muito complicado, pois diferente do italiano ou portugues – o frances falado é totalmente diferente do frances escrito!!! E claro que chegamos là e a coisa tornou-se ainda pior: eu devo ter encontrado com uns trinta franceses e com todos eles nao consegui entender sequer UMA palavra…

2 – O parisiense nao te responde se voce nao falar frances

DEPENDE – Nao tivemos nenhum problema em solicitar informaçoes pelas ruas ou dentro das lojas e restaurantes. Porém em nenhum momento chegamos com o tradicional "Do you speak english?". Decorei a frase: "Parlez-vous italien? (((pronuncia-se par-le-vu i-ta-lièn?))) e quando as pessoas diziam que nao, eu emendava se falavam ingles: "anglais?" (((diz-se an-glè?)))

Todas as pessoas que encontramos falavam ingles e nos responderam normalmente. No segundo dia encontramos duas brasileiras perdidas que tinham acabado de chegar e estavam inconformadas porque – segundo elas – ninguém falava ingles em Paris. Eu perguntei se elas estavam perguntando em frances e me responderam que estavam utilizando o clàssico "Do you speak english", foi ali que me convenci que perguntar em frances é a melhor opçao!!!

3 – O frances é mal-educado

MITO – Os franceses que encontramos foram super gentis, ainda no primeiro dia estàvamos perdidos querendo chegar à Opera e uma francesa vendo nossa dificuldade em tentar explicar a ela em frances perguntou: "Do you speak english?" Respondi quase com um: Vixi Maria, yeeeeeees" rsrsrs

E no ùltimo dia, também perdidos (ah và) sem saber qual a saida do metro para a estaçao de Porte Maillot, outra francesa também percebendo que pareciamos cego-em-tiroteio nos 'guiou' atè a saida correta, porém desta vez falando apenas em frances. Eu sò entendi quando ela disse: Buvè (na verdade ela disse Beauvais, que é o nome do aeroporto, mas pronuncia-se Bu-vé) e eu Oui (sim) e fomos conversando atè a saida. A conversa foi mais ou menos a seguinte, pelo que entendi:

Ela: Owuerioweuriowueriowuiourwuriowurioewurieowuriowuoueruioweurio??

Eu respondi: Ahhhhh ok…

Ela: uwpiriowuoeuowirpwuroewuripowupqutripeutpeuteputeouteruteiuptre, e vu?

Eu: Oui, peròòòò je ne parle un peu

Ela: Ulalàààààpowriowiotuewtreiuteiuteryteiuoyteiryteriuoyteriutyeriuyteiutyertu!!!

Tudo isso acontaceu durante a subida das escadas rolantes, no final ela apontou para a direçao que deveriamos tomar e eu todo educadinho respondi: Merci Beacoup Mademoiselle…

4 – Em Paris voce anda, anda e anda…

VERDADE – Mammamia, tudo em Paris é muito grande, muito imponente!!! Por isso quando voce se dà conta jà està colocando os bofes pra fora literalmente!!! Neste quesito a escolha do bus turistico foi fundamental, pois ganhamos muito tempo e economizamos muito nossas pernas e joelhos

5 – Quem entra no Louvre pra ver somente a Mona Lisa se arrepende!

VERDADE – Quando vamos num museu, queremos ver a obra de perto, analisar cada detalhe, cada pincelada… Ok, no meu caso é mentira porque sou super ignorante nessa 'coisa de arte', mas é uma baita sacanagem a Mona Lisa. Uma semana antes da viagem eu comprei um quebra-cabeças de 1500 peças dela e juro – o quebra-cabeças que eu montei é maior do que a imagem original do quadro!!! Ela é super minuscula e pra piorar, fica praticamente inacessivel, atràs de um vidro à prova de balas. Meno male que o zoom da minha nova màquina digital é bom, confiram:

Tudo mundo dizia a mesma coisa: que era minuscula e teriamos que nos acotovelar com os japoneses, alguém dùvida??

PONTOS ALTOS E BAIXOS

Desvantagens:

Pobreza – Como toda cidade grande, Paris sofre com a alta concentraçao de mendigos. Foi estranho ver pessoas dormindo no chao, pedindo esmolas nas estaçoes, pedindo dinheiro no metro, etc.

Alimentaçao é muito cara comparada com a Itàlia – nòs comemos no Pizza Hut, tomamos cafè da manha parisiense e jantamos em restaurantes tipicos franceses e realmente é muito caro comer por là. Enquanto aqui na Itàlia num bom restaurante um casal paga em média 60 euros, incluindo antipasto + primo piatto + secondo piatto + contorno + dessert + vinho e àgua, em Paris gastamos este mesmo valor comendo apenas antipasto + primo + vinho. Nao é a toa que a grande maioria dos restaurantes em Paris sao ètnicos – sem exagerar, encontramos mais restaurantes de comida japonesa do que francesa!!!

Mobilidade – Andar em Paris é muito fàcil, segundo ouvimos numa das explicaçoes no onibus – na cidade de Paris nao existe nenhum ponto que tenha mais do que 500 metros sem uma estaçao de metro!!! No terceiro dia utilizamos o metro para conhecer o cemitério onde estao enterrados Jim Morrison, Edith Piaf, entre outros famosos e foi super tranquilo. Também fomos atè o Pantheon que fica pròximo à Universidade de Sorbonne de metro, tudo muito ràpido. O bilhete simples custa 1,70 euros.

Areas verdes – Em todos os cantos da cidade voce se depara com um parque ou jardim. Como tinhamos pouco tempo e no final do segundo dia choveu, nao conseguimos visitar nem o Jardim de Luxembourg e nem o proprio Palais Royal que fica na frente do Louvre, ficaram para a pròxima viagem, junto com a Eurodisney e Versailles…

VALEU A PENA??

Mammamia e como valeu!!! Paris entrou na lista dos lugares que queremos voltar – do lado de Barcelona, Brugges e Amsterdam… Um dos momentos mais emocionantes foi quando – no ùltimo dia – entramos no Pantheon. E' um prèdio que abriga as cinzas dos maiores nomes franceses como Voltaire, Rousseau, Marie e Pierre Curie, Alexandre Dumas, Victor Hugo, Loius Braille. Foi bacana também visitar o tumulo de Honoré de Balzac, Delacroix, Apollinaire e o grande Allan Kardec…

Sem contar ela, a majestade Eiffel:


Todas as fotos da viagem estao no meu album no Flickr, para acessà-lo basta clicar aqui.

Um forte abraço a todos e atè o pròximo post!!!