O que não fazer durante o processo de cidadania italiana

Ciao a tutti!

Já criei manuais, já mostrei os caminhos das pedras, os atalhos e até fiz vídeos sobre como realizar o processo de cidadania – porém uma coisa que eu jamais fiz foi explicar o que não deve ser feito durante um processo de reconhecimento da nacionalidade italiana!!!

Sim, pois existem vááárias coisas que não podem (nem devem) ser feitas, acompanhem a seguir a pequena listinha:

MENTIR A UM OFICIAL PÚBLICO ITALIANO

Já perdi as contas de quantas vezes um leitor ou até mesmo um cliente me disse que ao entrar na Italia para reconhecer a cidadania mentiu ao oficial dizendo que estava aqui para fazer turismo. Também já soube de casos onde a pessoa mentiu na questura para conseguir um permesso di soggiorno, ou mentiu para o vigile, para o oficial, para o vizinho de casa, etc. etc.

Por que não devemos fazer isso? Por um simples motivo: segundo os artigos 479 e 483 do Código Penal Italiano, mentir a um oficial público é crime, conhecido como “induzir o funcionário público ao erro” e a pessoa pode pegar até 2 anos de chilindró.

Infelizmente quando não conhecemos bem a língua italiana, podemos entender ou até interpretar de forma equivocada algo, e pior do que isso é falar algo que não queria (cliquem aqui e vejam o exemplo que quase me fez perder a virgindade), portanto muito cuidado para não cometer este tipo de crime.

DESEMBESTAR E SAIR TIRANDO FOTOS DE DELEGACIA, PREFEITURA, JANELA DAS PESSOAS…

Como diria meu grande amigo Doug, turista tira foto até de pedra, porque é diferente! Recentemente tivemos um cliente que comprou um iPad (nunca tinha tido nem celular) e saiu por aí desembestado tirando fotos de tudo, principalmente das plantas e flores das casas alheias. Obviamente um dos moradores de uma destas casas, viu o cidadão com aquilo que parecia ser uma luneta na frente da sua casa e não teve dúvidas: chamou a polícia! Chega os Carabinieri e imaginem a tensão do coitado tentando explicar que não estava bisbilhotando a casa dos outros.

Outra história ótima aconteceu também com uma cliente que ficou tão feliz com o reconhecimento da cidadania que resolveu chegar alguns minutos antes do combinado na questura (vulgo delegacia de polícia italiana) e começou a tirar fotos do lugar – para eternizar o prédio onde ela fez o seu passaporto italiano… Não demorou cinco minutos antes de saírem dois policiais perguntando o que raios ela estava fazendo – menos mal que entenderam que ela não falava italiano (provavelmente acharam que era uma turista maluca kkkkk) porém obrigaram que ela apagasse todas as fotos feitas, depois das devidas broncas rsrsrs

TIRAR FOTOS DOS DOCUMENTOS ITALIANOS E COLOCAR NA INTERNET

Essa é clássica: com o advento das redes sociais, muitas pessoas ao adquirirem o reconhecimento da cidadania corre pra lá e plact! coloca a foto da carta d’identità italiana, do passaporte ou da certidão de nascimento. Aqui na Italia isso é “crime de favorecimento ao estelionato” já que qualquer pessoa mal intencionada pode copiar os dados destes documentos para fins ilícitos.

ENVIAR CARTA PARA TODOS OS COMUNES QUANDO NÃO SABEM EM QUAL DELES O ANTENATO NASCEU

Vocês não tem ideia da quantidade de cartas que os comunes italianos – especialmente no norte – recebem todos os dias de brasileiros pedindo documentos italianos. O problema é que 90% destes pedidos são de pessoas que não nasceram naquele comune, pois muita gente ao invés de pesquisar mais a fundo sobre a família resolve enviar email a todos os comunes de uma vez. Isso tem dois efeitos colaterais: o primeiro é que muitos comunes nem pesquisam mais direito e respondem negativamente a pessoa que o documento não se encontra ali e o segundo é que mesmo encontrando o documento, muitos comunes não mandam mais para o exterior, pois imaginem a quantidade de dinheiro gasto a toa somente para enviar cartas! Em todo caso, sei que muitos vão continuar a fazer isso e no final das contas, quando não obtiverem resposta do comune vão nos contratar para ir buscar este documento, porém mesmo “jogando contra o meu próprio trabalho” eu pergunto: não seria mais barato pesquisar melhor dentro da própria família e pedir o documento apenas ao comune correto antes de gastar centenas de euros pagando pra Minha Saga buscar o documento?

ACHAR QUE NA ITALIA TUDO SE RESOLVE BRIGANDO OU FALANDO ALTO

Outra coisa muito comum que também vejo é pessoas querendo brigar com o comune, com a questura, com o consulado, pois ouviram falar por aí que aqui na Italia as coisas se resolvem assim.

Sinceramente em nenhum lugar do mundo se resolve as coisas com brigas ou discussões – não é porque uma pessoa fala mais alto do que a outra que vai conseguir algo. Da mesma forma que ficar quieto diante de algumas arbitrariedades também não vai resolver. Por isso, quando você tiver que discutir sobre qualquer assunto com um órgão público italiano (comune, questura, consulado, agenzia dell’entrate) tenha sempre em mãos documentos que comprovem aquilo que você está dizendo ou quer dizer. Na maioria das vezes, uma explicação feita de forma coerente e com a voz baixa tem muito mais resultado do que uma argumentação péssima feita aos gritos…

ADVERTÊNCIAS E CONSIDERAÇÕES FINAIS

É claro que muitas pessoas fazem isso porque ficaram felizes com a cidadania, e ninguém faz nenhuma destas coisas propositadamente, porém eu quero que vocês parem por um instante e pensem nas situações a seguir:

1 – Você vive no Brasil, está dentro da sua casa quando de repente percebe um estrangeiro (ou qualquer pessoa) tirando fotos da sua casa, o que você faz? Chama pra um café ou chama a polícia?

2 – Quando você obteve o seu RG brasileiro, você tirou uma foto dele e colocou no Orkut ou no Facebook? E o CPF, colocou lá?

3 – Alguma vez, passando na frente de uma delegacia você pensou: – Puxa vida que prédio bonito, vou registrar o momento e tirou uma foto?

Muito bem queridos leitores, utilizei estas perguntas acima exatamente pra mostrar a vocês que por mais que para nós, o reconhecimento da cidadania é um verdadeiro acontecimento, para os outros não é!

E infelizmente muitas pessoas quando estão no exterior perdem completamente a noção do que é certo ou errado – por exemplo tirar fotos dos próprios documentos pessoais, coisa que jamais fizeram ou fariam se estivessem no Brasil, não é verdade? Tenho certeza que muitos daqueles que tiram estas fotos e postam em redes sociais, sequer fazem compra em sites no Brasil com medo de roubarem o número do CPF…

Um grande abraço a todos, muito juízo e até o próximo post 😉