Por que vir a Italia fazer besteira?

Ciao a tutti!

Hoje estava num dos fóruns que frequento juntamente com oficiais di stato civile e anagrafe de diversos comunes aqui na Italia, quando fui surpreendido pela seguinte pergunta, feita por um oficial de um dos comunes do norte:

Um cidadão brasileiro solicitou ao comune onde trabalho a sua cidadania jure sanguinis, utilizando para isso o visto schengen no passaporte, que é válido por três meses. Visto que existem problemas com a documentação referente ao seu reconhecimento e não me foi apresentado o recibo do pedido de permesso di soggiorno na Questura, como posso cancelar a residência deste cidadão do meu comune?

Pra quem não entendeu bulufas, seja sobre o conteúdo, seja sobre o fórum, explico:

A profissão de consultor ou assessor para assuntos de cidadania italiana aqui na Italia formalmente não existe. Consequentemente não existem sindicatos ou órgãos de classe, onde um consultor possa estudar ou se atualizar sobre a legislação e outros aspectos relacionados ao assunto.

Como eu acredito que isso seja extremamente sério, além de assinar diversas revistas sobre os temas que pertencem ao nosso mundo (anagrafe, stato civile, elettorale, immigrazione e giurisprudenza) também consegui ser sócio do principal órgão de classe dos trabalhadores e oficiais dos comunes, que mantém um fórum para que todo e qualquer funcionário possa solicitar informações e ajuda sobre algo que queira saber e/ou fazer – e foi neste fórum que eu também participo que encontrei esta pergunta.

Livros que adquiri essa semana para estudar

Ok, agora que entenderam, vejamos o desenrolar da história: outro oficial respondeu, explicando que o cidadão pode permanecer durante 90 dias aqui na Italia, citando a circular 52/2007 com a devida explicação.

A oficial replicou que já se passaram os três meses e o cidadão não se preocupou em solicitar o permesso e mais: sequer respondeu a comunicação enviada por posta A.R. (correio com aviso de recebimento) ao endereço indicado. Termina concluindo: “se ele não me apresenta o pedido da questura, pra mim é um clandestino irregular”…

E a conversa tomou outro rumo, mais precisamente sobre os detalhes técnicos do cancelamento do indivíduo aqui na Italia, que inclusive já foi realizado, assim como a devida comunicação a polícia da condição do irregular…

COINCIDÊNCIA OU NÃO…

Coincidentemente, numa das questuras em que trabalho, dia destes o oficial me perguntou se conhecia um tal rapaz também italo-brasileiro. Respondi que não e ele então me confessou que faz mais de um ano que este rapaz solicitou o passaporte italiano e nunca foi buscar. Perguntei se isso é normal e eles disseram que sim, é normal a pessoa demorar alguns meses para retirar, porém é a primeira vez que um cidadão simplesmente esquece de ir buscar seu documento de viagem.

MOTIVOS QUE ME EMPUTECEM

O que mais me deixa completamente puto da vida é saber que existem pessoas que vem a Italia com os documentos errados, incompletos ou ainda achando que pra tudo se dá um jeitinho. Além de conhecer um punhado de idiotas que ao vir pra cá, aprontam um monte de besteiras, utilizando a frase “tô só de passagem mesmo, posso fazer as merdas que eu quiser que ninguém me conhece

O pior é que este tipo de gente faz com que aumente ainda mais a “pulga atrás da orelha” dos oficiais.

Como se não bastasse, a maioria deles vem exatamente ao norte da Italia, local onde está a maior concentração de oficial-contra-reconhecimento-da-cidadania por metro quadrado do país.

Como alguém atravessa o oceano e simplesmente abandona o seu processo, sem dar nenhum tipo de satisfação ao profissional que está lá, trabalhando no caso dele? Imaginem o próximo brasileiro que for aquele comune realizar o processo. Como é que o oficial vai lidar com ele? Será que vai mandar o vigile mais de uma vez confirmar a residência? Será que vai levar em ‘banho maria’ o processo, para saber se a pessoa vai efetivamente solicitar o permesso caso o processo ultrapasse 90 dias? Será que vai voltar a confiar nas palavras de um brasileiro novamente, já que além da documentação não ser idônea, a pessoa simplesmente desapareceu?

Vejam que eu posso elencar uma centena de situações que podem acontecer com o próximo coitado que cair naquele comune…

Já não basta ter que ouvir destes oficiais que o Brasil é uma zona, e não falam apenas da boca pra fora não, me dão exemplos para justificar a zona:

[starlist]

  • Cada um faz o que quer com o sobrenome (aqui sequer as mulheres adquirem o sobrenome do marido, afinal cada um tem o sobrenome da sua família, e tem orgulho em conservá-lo), e quando não sabem mais como mudá-lo, simplesmente INVENTAM novos, como Filho, Júnior, Neto, Segundo, Sobrinho e por aí vai.
  • O casamento no Brasil é tão banal, que os noivos sequer precisam estar presentes, podem se casar por procuração.
  • Não existe nenhuma regra para o registro de um filho: ao contrário da Italia onde ambos os pais tem 10 dias para declarar o nascimento e devem fazer isso JUNTOS, no Brasil basta ter um compadre, amigo, caseiro, sinhô ou qualquer outra pessoa que possa ir registrar o rebento.
  • Cada cidade tem um modelo diferente de certidão. Resultado? Apresentamos um calhamaço de documentos de cores diferentes (alguns brancos, outros azuis, verdes, amarelos), tamanhos diferentes (tentem pedir uma certidão de nascimento em alguns cartórios do Espírito Santo e não se admirem se vier em uma folhinha de papel do tamanho de 1/4 de uma sulfite) e escritas diferentes (pô pessoal de BH, certidão a mão não dá nem pra analisar)

[/starlist]

CONCLUSÃO DO MEU DESABAFO

A cada cidadão brasileiro irresponsável que vem a Italia e apronta, dezenas de outros cidadãos de bem, que se preocupam em trazer tudo certinho, organizado, retificado e corrigido são prejudicados.

Se você pensa que vir a Italia para tirar a sua cidadania, pois é apenas um pedaço de papel que vai servir para você não ter o desprazer de passar mais por imigração, saiba que para muitas pessoas que trabalham com isso, incluindo eu, este pedacinho de papel é o resultado da realização de um sonho. É a possibilidade de um novo começo, de um futuro melhor aos nossos filhos.

Se você acha que italiano é vagabundo, que a Italia é uma merda, que nossas músicas são cafonas e que “país bom mesmo é os EUA ou Inglaterra”, vai pedir o reconhecimento da cidadania nestes países.

Você provavelmente não sabe, mas aqui na Italia você não vai fazer nenhuma falta, pelo contrário: se você não vir pra cá, os cidadãos de bem agradecem!