Itália vende casas a 1 euro – pior que Telexfree

Ciao a tutti!

Quem teve acesso a internet ou televisão nas últimas semanas, provavelmente viu a matéria abaixo:

Esta matéria foi veiculada no site Catraca Livre, no Casa e Jardim e em tantos outros sites e portais no Brasil e no resto do mundo.

Como era esperado, muita gente pediu a minha opinião sobre o assunto, e eis-me aqui para explicar não somente o que é este projeto, mas também para dizer porque eu considero a maior furada do mundo, depois da Telexfree rsrsrsrsrsrs

O PROJETO

Lá nos cafundós da Italia, na ilha da Sicilia existe um pequeno comune chamado Gangi que conta hoje, com pouco mais de 7000 habitantes.

Com a densidade demográfica que diminui ano após ano, o comune resolveu lançar uma ideia original: oferecer casas que estão lá, caindo aos pedaços por apenas 1 euro!

E assim como todos aqueles que entraram em contato comigo felizes da vida, tantas outras pessoas ficaram fascinadas com a possibilidade de adquirir uma casa medieval na Italia, ainda mais quem assistiu o filme Sob o Sol da Toscana…

DETALHES DO PROJETO

Vejamos quais os detalhes que compõem o projeto criado pelo comune de Gangi: o interessado no imóvel pode comprá-lo pelo preço simbólico de 1 euro e seguir os seguintes critérios (citarei apenas os principais por motivos práticos, quem quiser saber mais baixe aqui):

  1. Estipular o contrato de compra do imóvel em no máximo dois meses a contar da data da aprovação do pedido pelo comune.
  2. Pagar todas as taxas correspondentes relativas ao contrato e derivados, tais como cartório, água, luz, gas, etc.
  3. Apresentar projeto de reestruturação do imóvel em até um ano da data da compra.
  4. Iniciar as devidas obras dentro de dois meses da data da autorização governamental da mesma.
  5. Contratar um seguro no valor de 5000 euros, que deverá garantir o término das obras no período máximo de três anos.

PORQUE NÃO VALE A PENA

Muito bem, agora quero explicar a vocês os motivos que a meu ver, o tal projeto é uma barca furada que pode te deixar a ver navios…

Começando pela localização: quando eu escrevi lá em cima que a cidade é nos cafundós da Italia, eu realmente estava falando sério! Para um estrangeiro que nunca pisou na Italia, parece um sonho morar na Sicilia, não é mesmo?

Muitos não sabem, mas a Sicilia é a região italiana com o maior índice de moradores abaixo da linha de pobreza italiana, em torno de 32,2% – 3 a cada 10 pessoas! A título de comparação, a média italiana é de 13,6%…

Existem ainda outros dados ruins, mas não vou cita-los aqui pois o objetivo do artigo não é explicar os problemas da Sicilia, mas apenas dar a vocês elementos para que entendam que a região sofre de carências estruturais básicas.

E com isso podemos entender porque o comune criou um projeto destes, afinal de contas se o lugar fosse bom, os próprios moradores da região já teriam comprado os próprios imóveis, ao invés de simplesmente deixá-los lá, abandonados (aposto que ninguém pensou nisso, né?).

Não está ainda convencido que é um péssimo negócio e que estou exagerando?

Opa, sem problemas, vamos ver então quanto um comprador gastará com a compra do imóvel:

  • Valor do imóvel: 1 euro
  • Custos de registro e passagem de propriedade: 5.305 euros
  • Valor do seguro exigido pelo comune: 5.000 euros reembolsáveis no final
  • Valor estimado de reestruturação: 35.000 euros
  • Total investido: 45.306 euros

Antes que você comece a me xingar dizendo que gastar menos de 150.000 reais para reestruturar um imóvel é realmente uma pechincha, deixe-me te mostrar uma imagem:

Uma casa de TREZENTOS METROS QUADRADOS no mesmo comune, já pronto por 45.000 euros.

Não acredita? Tem mais:

E outra:

Itália vende casas a 1 euro

CONCLUSÃO

Pois é meus caros leitores, como vocês puderam perceber o projeto não é nenhum negócio da china!

Basta entrar em qualquer site de agências imobiliárias daquela região para ver que os valores são baixos já naturalmente.

Outra coisa que esqueceram de dizer, é que esta é a segunda vez que o projeto “casas a 1 euro” é proposto naquele comune, há cinco anos atrás eles fizeram a primeira tentativa e o resultado foi um fiasco – 22 casas à disposição e apenas 4 contratos estipulados.

E ainda temos o fator localização e estrutura (ou falta dela), que são fundamentais a quem pretende se estabelecer em qualquer lugar do mundo, não é mesmo?

Espero com este artigo ter esclarecido as dúvidas do pessoal que me escreveu e se alguém tiver coragem e comprar algum dos imóveis oferecidos, venha aqui compartilhar conosco a experiência 😉

Abbracci a tutti e até o próximo post