Utilidade Pública: Traduções e Documentos Originais

Ciao a tutti!

Hoje quero compartilhar uma situação que aconteceu recentemente e que pode ajudar muitos de vocês a não cometer o mesmo erro, muitas vezes motivado por informações erradas transmitidas pelos próprios órgãos oficiais – sim, parece absurdo, mas eles também erram, e muito!

O caso em questão é sobre a vinda a Italia com os documentos brasileiros todos legalizados pelo consulado italiano, porém com um detalhe: apenas as certidões brasileiras, sem a tradução!!!

Isso tem acontecido com uma frequência cada vez maior: ora algumas pessoas trazem todos os documentos traduzidos menos a CNN, ora trazem todos os documentos sem tradução e ainda existem casos, felizmente menos frequentes, de pessoas que trazem cópias autenticadas de certidões ou ainda a certidão italiana impressa em casa, sem que seja a original, assinada e carimbada pelo comune / igreja aqui na Italia e enviada pelo correio.

Antes de continuarmos, convido vocês a assistirem este vídeo que eu postei há algum tempo, onde explico um pouco sobre a tradução e principalmente sobre a legalização consular:

 

Muito bem, viram lá o que eu falo sobre deixar para traduzir aqui na Italia? Ao invés de pagar algumas dezenas de reais na tradução, você aqui pagará uma dezena de euros, o que vai automaticamente encarecer cerca de três vezes mais a tradução de cada documento!!!

Porém não é o único problema: muitos comunes sequer vão deixar você solicitar a sua residência sem os documentos todos prontos – traduzidos e legalizados. Veja que além do dinheiro gasto com as traduções aqui, caso seu processo ultrapasse 90 dias você precisará gastar mais algumas centenas de euros para solicitar o permesso di soggiorno in attesa di cittadinanza – vejam que deixar para fazer isso aqui é sempre um problema rs

Outra situação comum: pessoas que ouvem falar que a CNN não precisa ser traduzida: esta eu confesso que não entendo como uma pessoa pode acreditar nisso, pois como é que você vai me apresentar um documento na língua portuguesa para um funcionário público italiano, achando que ele vai entender o que está escrito???

E sabem o que é pior? É que eu já ouvi pessoas dizerem: – Ahh mas não é difícil assim entender o conteúdo…

Juro que às vezes eu gostaria de estar presente em uma situação destas: o caboclo apresentando um documento em outra língua que não o italiano e a reação do oficial ao começar a ler o documento, e que mesmo que ele fosse fluente na língua portuguesa, por lei jamais poderia aceitar um documento em outra língua, porca de uma porpetta!!!

Outra situação também complicadíssima é quando o requerente acredita que podem ser utilizadas cópias autenticadas brasileiras para realizar o processo aqui na Italia – neste caso acho que vale abrir um parêntesis importante e que muitas pessoas acabam confundindo:

“Tirar a cidadania”, como muitos dizem, na verdade significa reconhecer a nacionalidade do país Italia e com isso obter todos os direitos e deveres como qualquer outro cidadão, e por mais que muitos acreditem que isso é apenas “pegar um papelzinho pra poder passear sem imigração“, se trata de um procedimento extremamente importante, burocrático e que nenhum funcionário público pode errar no cumprimento e desenvolvimento destes procedimentos.

Por que estou fazendo questão de frisar isso? Porque muitos acabam achando que a Italia tem a obrigação de nos receber ou de nos reconhecer, fazendo isso de qualquer forma, inclusive errada, como se isso justificasse algum tipo de pensamento em relação a uma eventual correção histórica de injustiças sofridas ou sei-lá-mais-o-quê…

A questão concreta é que na verdade somos nós que devemos comprovar – de acordo com a legislação em vigor – que fazemos parte desta Nação, utilizando para isso os documentos que nos ligam ao italiano que emigrou ao exterior.

A regra para obtermos o nosso reconhecimento é bastante clara:

  1. Você deve apresentar todos os documentos que comprovam a ligação entre você e o cidadão emigrado;
  2. Todos os documentos estrangeiros devem ser originais, emitidos em 2a via recente, no formato inteiro teor e devem estar traduzidos para a língua italiana e legalizados pela nossa representação consular no país onde os documentos foram emitidos;
  3. O cidadão pode dar entrada no Brasil, diretamente no consulado italiano OU se residente na Italia, pode solicitar o seu reconhecimento diretamente ao sindaco da cidade onde é residente.

Quando eu citei, lá no início do artigo, que infelizmente muitas informações incorretas são transmitidas por órgãos oficiais, vejam que no caso das traduções, quem indica que isso é possível é a tal da VFS Global – que por mais incompetente que seja, é a empresa contratada pela embaixada italiana no Brasil e que portanto deveriam dar as informações corretas.

Realmente é possível a tradução aqui na Italia, porém qual seria o objetivo da empresa em querer divulgar uma ideia estapafúrdia destas, sabendo que os custos aqui seriam muito mais altos e que no Brasil, basta chegar com o jogo de documentos e sair do consulado com tudo rigorosamente pronto para vir a Italia dar entrada no reconhecimento?

Além disso, muitos patronatos e vice-consulados também dão informações incorretas – e quem acompanha a Minha Saga há algum tempo sabe que eu tenho enormes ressalvas a estes tipos de órgãos, que na imensa maioria das vezes mais atrapalham do que ajudam. Por que cargas d’água um funcionário de patronato diz a alguém que os óbitos não são necessários se ele mesmo sabe que quem decidirá isso é o oficial do comune? Ou porque dizer que a CNN não precisa ser traduzida se todos tem conhecimento da legislação italiana?

Com isso, podemos perceber que aqui podem ter duas situações complicadas:

1 – O cara não sabe do que está falando, e portanto é incompetente no assunto;

2 – Ele sabe, mas não se importa com cidadania, pois o que ele quer saber é de receber taxas das aposentadorias dos italianos no Brasil, e portanto é mal intencionado

Vejam que ambas as situações, a meu ver são igualmente perigosas, pois ser incompetente é tão ruim quanto ser desonesto, pois acaba prejudicando da mesma forma as pessoas que buscam informações, depositam seus sonhos e em muitos casos, todo seu dinheiro para conseguir obtê-lo e por causa da informação incorreta, dada por um cidadão qualquer que passa o dia sentado atrás de uma mesa no ar condicionado, pode prejudicar a vida de outras pessoas.

RECAPITULANDO

Portanto, a partir de agora se alguém tinha alguma dúvida sobre isso, vamos recapitular para deixar tudo muito bem claro e explicado:

A) Todos os documentos brasileiros devem ser traduzidos para a língua italiana e legalizados pelo consulado geral da Italia no Brasil;

B) A CNN é um documento brasileiro e como tal também deve ter o mesmo tratamento das outras certidões: traduzir para o italiano e legalizar no consulado

C) Todos os documentos apresentados para a sua prática aqui na Italia devem ser originais, não podem ser cópias, ainda que autenticadas no Brasil – pois na Italia este tipo de autenticação não tem nenhum valor.

È isso queridos leitores, qualquer dúvida já sabem: deixem aqui como comentário, ok?

Um grande braço a todos e até o próximo post 😉