Verdade sobre a “mentira da restrição à cidadania” Parte II

Resolvi ironicamente utilizar o mesmo título de um artigo escrito em 25 de julho de 2007.

Eu tinha acabado de chegar aqui na Italia, quando naquele momento eu já pedia aos leitores para tomar cuidado com as “conversas de boteco” que aconteciam nas redes sociais, jornais, revistas e blogs.

Bom, naquela matéria eu citava a reportagem da revista Veja, que dizia existir no congresso nacional italiano um projeto de lei que visava restringir o direito apenas a filhos e netos, parece familiar?

Vejam abaixo uma imagem da matéria:

verdades e mentiras

Nem preciso dizer que tudo não passou de uma grande balela, o então senador Eduardo Pollastri e o ex vice cônsul de Curitiba Marcello Alessio colocaram os “pingos nos is”, não houve nenhuma restrição à cidadania e a vida seguiu seu rumo.

ATUALMENTE…

É inegável que hoje o acesso a informação é muito melhor, pois basta pensar que em 2007 praticamente não existiam blogs sobre a cidadania italiana, o pessoal se concentrava no Orkut e hoje temos centenas senão milhares de blogs sobre o tema.

Pessoas que passaram pela experiência com o seu reconhecimento, outras que tratam da vida aqui na Italia, sem contar os canais no Youtube que tratam da vida no exterior, entre tantos outros assuntos.

Claro que isso é uma baita vantagem – termos tantos canais de informação é excelente!

Porém a vantagem disso consiste exatamente na possibilidade de confrontar as diversas informações.

Se vocês leem algo que eu posto aqui na Minha Saga sobre algo, a primeira coisa que vocês devem fazer é utilizar esta informação e confrontá-la com outras fontes.

Se eu escrevo que um consulado mudou um determinado procedimento, entrem imediatamente no site oficial daquele consulado e vejam se a informação bate.

Isso deve ser feito com cada informação recebida, independente do canal utilizado.

O que eu quero dizer a vocês com isso – antes de colocar o link do vídeo – é:

TENHAM SENSO CRÍTICO E PELOAMORDEDEUS, FILTREM AS NOTÍCIAS QUE VOCÊS RECEBEM.

Quem acompanha o blog há algum tempo sabe que isso eu falo desde que comecei a escrever este humilde espaço em 2006, e hoje em dia é mais importante do que nunca filtrar tudo que chega, pois o volume de informações aumentou consideravelmente nestes anos todos, ok?

Muito bem, recado dado, vamos ao vídeo.

Como ele ficou muito longo, eu separei o áudio e caso vocês queiram apenas ouvi-lo (sem o vídeo) basta clicar aqui.

Mesmo que eu errei no foco da lente no vídeo, não deixem de clicar em joinha e compartilhar 😉