Dois Anos da Publicação do Livro da Minha Saga

Dizem que não podemos morrer sem antes:

  1. Plantar uma árvore;
  2. ter um filho;
  3. Escrever um livro.

Bom, eu fui escoteiro, então a primeira tarefa foi realizada há muitos anos atrás:

Depois foi a vez de cumprir a segunda tarefa, e acho que nesta eu caprichei:

Minhas filhas maravilhosas Isabella e Brunna junto com a minha mãe, dona Janete

Faltava apenas o terceiro item da lista – escrever um livro!

E eis que no dia 7 de abril de 2015 lá estava ele publicado no site da Amazon Brasil:

Neste livro, eu narro as peripécias da minha vinda à Itália, desde a concepção da ideia até a finalização do meu processo de reconhecimento, no fatídico dia 24 de dezembro de 2007 às vésperas do Natal daquele ano.

Confesso que foi muito difícil escrever este livro, pois tive que relembrar muitas situações complicadas que eu vivi por aqui, muita coisa ruim que o cérebro já tinha feito questão de esquecer.

Mas mesmo assim, consegui colocar no papel todas as dores de forma leve, pois não queria que a minha história pessoal fosse narrada como um drama.

Pelo contrário: o objetivo era mostrar que mesmo diante de todas as dificuldades, temos que ser fortes para superá-las e dar a volta por cima!

E acho que consegui, pois quando vejo os comentários que o pessoal deixa por lá após terminar a leitura, meu peito se enche de orgulho e felicidade:

E depois de algum tempo somente com o “livro virtual”, a Amazon começou a disponibilizá-lo também no formato físico, para quem gosta do cheirinho do papel.

E uma das mensagens mais bacanas do livro físico foi essa:

 

Sem falar a avaliação positiva do pessoal que leu:

Enfim, quero agradecer a todos que fizeram parte deste sonho que, depois de muito tempo e esforço, se tornou realidade.

E depois de receber comentários como estes:

Se você ainda não teve a oportunidade de conhecer esta minha história, é só entrar no site da Amazon clicando aqui.

A todos aqueles que compraram, leram, deixaram um comentário, enviaram uma mensagem de carinho, meu mais profundo “muito obrigado”.

Acho que tá na hora de começar a escrever a continuação desta história, afinal de contas, o primeiro livro retrata apenas 6 meses dos 10 anos que eu vivo por aqui – ainda tem muito mico e perrengue pra contar 🙂