Como ser médico na Itália

Como me tornei médica na Itália (e como você pode também!)

Artigo escrito por Mariana Dacoregio

Notas altas durante todo o segundo grau, alguns anos de cursinho pré-vestibular, o vestibular mais concorrido de todos.

Seis anos de faculdade (se for particular, o valor de uma casa de luxo investido em estudos).

Muitas noites sem dormir, finais de semana dando plantão ou estudando sem parar.

Essa é a realidade de quem termina a faculdade de Medicina no Brasil.

Se você fez residência, me entende quando eu digo que trabalhava de 100 a 120 horas POR SEMANA num hospital público referência de uma capital, onde a única coisa que nunca estava em falta eram os pacientes graves chegando de todos os cantos do estado.

Depois desse período de “trevas”, trabalhei para a iniciativa privada, onde tinha muitos recursos à disposição, mas ainda assim sentia que não estava satisfeita.

A ausência de um contrato de trabalho que desse segurança me fez questionar se o “bom salário” era de fato o suficiente para me manter ali.

Foi assim que veio a decisão de me mudar para a Europa.

 

Inicialmente, eu e meu marido pensamos em voltar para a Bélgica, onde já haviamos morado por um ano em 2010 e onde reconhecemos a cidadania italiana dele, mas no fim o amor pela ‘bota’ falou mais alto e aterrisamos em Brescia em setembro de 2016.

Meu marido, como engenheiro eletrônico, começou a trabalhar depois da primeira entrevista que fez (esse é assunto para outra conversa!) e eu fiquei ali, sem saber o que fazer com todo aquele tempo à disposição.

Entrei em todos os sites, blogs e grupos no Facebook.

Conversei com médicos italianos, com funcionários do consulado, funcionários do Albo (órgão de classe), até chegar ao secretário do curso de Medicina da Universidade de Brescia.

Foi ele quem me mostrou o site do Ministério da Saúde e me deu força para começar.

Foram nove meses até conseguir juntar toda a documentação solicitada.

Entre tantos documentos, traduções e apostilamentos, a Declaração de Valor foi o mais demorado e chato de conseguir.

Com os dedos cruzados, pus todas as minhas esperanças e meus documentos dentro de um envelope que foi parar no Ministério da Saúde em Roma.

Mesmo que no site houvesse um prazo de 90 dias para a avaliação da documentação, foi depois de um ano que recebi a tão esperada carta.

Ela confirmava a validade dos meus documentos e me informava da necessidade de uma “misura compensativa”.

Essa tal “misura compensativa” é solicitada para todos os médicos com diplomas obtidos fora da União Européia e pode ser composta de três à cinco provas.

Em novembro de 2018, fui convocada para as cinco provas teóricas – pediatria, ginecologia e obstetrícia, medicina legal, clínica médica e cirurgia.

As provas foram em fevereiro de 2019 em Roma.

São 30 questões de múltipla escolha de cada disciplina, sendo que você deve acertar no mínimo 18 delas em medicina legal e 15 em cada uma das demais.

Sendo aprovada nessa fase, tive uma semana para me preparar para as provas orais.

Essas também acontecem em Roma, em uma enorme sala com todos os candidatos dentro, cada um é chamado e responde perguntas diretas relacionadas a cada uma das disciplinas.

Saindo dali, eu já sabia que era a feliz proprietária de um título de Médico na Itália! Ufa!

 

Sim, foi uma enorme epopéia em busca do sonho de continuar exercendo a profissão que me escolheu desde sempre.

Se emigrar não é para os fracos, emigrar levando consigo uma das profissões mais regulamentadas do mundo, é para poucos.

Pensando nesse sonho e em como todo esse processo foi importante pra mim, resolvi dar assessoria para quem, como eu, acredita em recomeços e novos desafios.

Depois de ter sido procurada por muitas pessoas, montei um programa de assessoria para as profissões da área da saúde que são reconhecidas pelo Ministério da Saúde (Medicina, Enfermagem, Odontologia, Fisioterapia, Psicologia e Medicina Veterinária) e auxilio no preparo de toda a documentação exigida para dar o primeiro passo no reconhecimento.

Se você tem interesse em saber mais sobre o meu trabalho, meu e-mail é [email protected] e ficarei feliz de responder suas dúvidas e dar ainda mais gás no seu sonho!


PS. Eu entrei em contato com a Mariana depois de ver uma postagem dela nas redes sociais, e achei fantástica a ideia. Resolvi então ceder nosso espaço por aqui para que ela consiga ter uma maior projeção e com isso ajudar outras pessoas na área da saúde 🙂